quinta-feira, 30 de agosto de 2012

GPUpdate.net editor Ivo Pakvis drives a Formula 2 car


Charlie Cox drives Ford GT


Entenda porque a "taxa de curiosos" não é bem-vinda

Não é raro ver relatórios para os clientes apresentando uma taxa de crescimento no site de 20%, 30% ou até 300% em um curto período de tempo. Em um primeiro momento, tem que se comemorar mesmo, mas aí vem a pergunta: quantos desses novos usuários são pertencentes à "taxa de curiosos"? Não deve-se preocupar com o crescimento de acessos ao site ou seguidores no Twitter, e sim com o quanto desse aumento que vai virar um lead, que vai converter.

É óbvio que quanto mais pessoas acessam o site, ou se relacionam com a marca via redes sociais, maiores são as chances de termos leads, por isso, em um primeiro momento é preciso comemorar o aumento dos acessos, mas deve-se entender o por que isso aconteceu. Vamos a um exemplo:

Foram avaliados os acessos dos sites das montadoras Mercedes-Benz, Honda, Toyota, Hyundai, BMW e Audi, pouco antes do Salão do Automóvel. Para tal, usou-se a ferramenta do Google e verificou-se que todos os sites tinham o mesmo comportamento, até os acessos eram muito parecidos, porém, o site da Audi teve um pico muito grande, em apenas um dia (18/10).

Em um primeiro momento, foi-se considerado que o pico se devia ao fato do Salão do Automóvel estar chegando, faltavam dois dias para a abertura do evento, mas como só a Audi tinha esse pico, se todas as marcas estariam no evento? Mais uma vez, o Google nos ajudou com sua ferramenta Notícias: naquele dia, o apresentador Luciano Huck havia comprado o novo Audi A8, sendo o primeiro a comprar esse novo modelo no país. Sites de fofoca publicaram em peso o apresentador sentado ao lado do diretor da marca em frente ao carro. O pico do site foi 100% de taxa de curiosos. Para o relatório, um sucesso. Para o planejamento, uma ação que gerou visibilidade da marca e pronto.

Para mega varejistas, a taxa de conversão (compras efetivadas) é, em média, de 2%, por isso a importância de se entender a taxa de curiosos. A cada cem pessoas que entram em algum site de varejo online, duas efetivamente compram. Supõe-se que cinco compram e três não efetuam a compra por algum problema no cartão, por exemplo. Somente 2 pessoas compram. Observe-se então o esforço que deve ser feito em marketing e comunicação para chegar a números que paguem a estrutura, sendo que apenas duas pessoas compram, a um ticket médio de R$ 500,00.

A taxa de curiosos só é boa para fazer número bonito em relatório de analytics. É preciso, sim, atrair as pessoas para o site, tal qual a Audi fez, aliás, essa ação da Audi foi mais uma ação de mídia espontânea do que para o site, mas vale como exemplo, porém, mais do que isso é preciso saber como fidelizar essas pessoas dentro do site e em um futuro, de preferência próximo, transformá-las em um lead. Na ação da Audi, por exemplo, as pessoas que divulgaram o link podem ser consideradas leads, pois essa foi uma das intenções, porém, como manter dentro do site ou manter o relacionamento com a marca?

O primeiro passo é se abrir para as redes sociais e newsletter. São as formas mais simples de se manter o relacionamento ao longo do tempo. Preza-se muito a simplicidade na comunicação. Se a marca souber fazer isso, já está dando um grande passo. O segundo passo é conversar com as pessoas que se abriram para o relacionamento. Em seguida, medir os passos e veja quem converteu, lembrando que a conversão depende do objetivo do site.

Em resumo, a taxa de curiosos é boa no primeiro momento, para atrair o máximo de pessoas para o site ou rede social. Se a marca não souber se relacionar, vai continuar a ser uma taxa de pessoas que entraram no site, pois sentiram esse desejo, mas que saem do site sem se relacionar com a marca. Para a marca, serve para quê?

iMasters

Renaultsport Mégane 265 Cup vs. Vauxhall Astra VXR


terça-feira, 28 de agosto de 2012

Team Ducati - Greg Tracy - 2012 Pikes Peak International Hill Climb - 9:58.262 - Onboard


IndyCar 36: James Hinchcliffe


Veja James Hinchcliffe, piloto da Andretti Autosport, preparar-se para a 2012 Honda Indy Toronto.

Uma carta aberta aos novos profissionais de SEO

Caros novos profissionais de SEO,

Seja por sorte ou por um bom planejamento, vocês já entraram no mercado em um momento em que a área está crescendo e praticamente todas as empresas decentes estão à procura de talentos. Então, vocês podem estar se perguntando por que eles não contratam vocês.

Faça primeiro, fale depois

Vocês estão fazendo isso na ordem errada. Vocês precisam ler isso. Antes de abrir a boca para se gabar sobre como você é ótimo, prove. Sim, há pessoas arrogantes em SEO, e, sim, algumas delas ganham muito dinheiro, mas você não é uma delas, pelo menos não ainda. Sua postura pode te render alguns fãs no Twitter, mas a não ser que você esteja direcionando sua carreira para o cinema, fãs não vão pagar suas contas.

No entanto, não se trata apenas de arrogância. As pessoas não querem ouvir sobre o que você poderia fazer com tempo suficiente, dinheiro e feijões mágicos. Eles querem ouvir sobre o que vocês fizeram, ou, pelo menos, o que estão fazendo. Se quiserem que pessoas se interessem naquilo que fazem, então, façam algo interessante!

Construa algo (qualquer coisa)

Quando ouvir "faça algo interessante", entenda "criar algo". Poderia ser um super artigo, como o que David Mihm faz anualmente, "Local Search Ranking Factors". Ou poderia ser uma ferramenta, como a Local Citation Finder, de Darren Shaw. Esses são apenas dois de dezenas de exemplos que impulsionaram um recém-chegado ao estrelato do SEO.

O fato é que construir algo não só mostra que vocês possuem habilidades, mas também que se comunicam em seu meio. Todos nós queremos ser tudo para todas as pessoas quando estamos começando, afinal estamos com medo de fecharmos qualquer porta.

O problema é que ser um generalista é horrível para o seu marketing. Se alguém perguntar o que você faz e sua resposta for "qualquer coisa que for pago para fazer", prepare-se para não ser pago. As pessoas querem o "cara WordPress" ou "cara link-building". Encontre o seu nicho, uma vez que seu pé estiver na porta, então você poderá chutá-la e abrir bem.

Pare de se comparar

O cérebro humano é engraçado. Há dias em que você pode ser arrogante e duvidar de si mesmo, tudo na mesma meia hora. Há uma área onde a internet é especialmente terrível: ela te expõe cada dia a centenas de pessoas que são melhores em tudo que vocês. Superem isso. Vocês não têm que ser o número um, ou mesmo o número 10.001 em algo. Escolha alguma coisa e faça-a até que vocês melhorem. Esse é o segredo para tudo. Querem se tornar um especialista link-builder? Parem de assistir a vídeos de gatos e construam alguns malditos links.

Abocanhar 20% a mais

Vocês não irão crescer a não ser que forcem seus limites. As pessoas dizem isso o tempo todo, então, sempre peguem 20% a mais do que acham que conseguem fazer. Este é o ponto onde vocês se obrigam a continuar aprendendo, mas ainda podem cumprir suas promessas. Se vocês só fazem o que já fizeram, sempre terão pequenos projetos e resultados igualmente pequenos. Não mintam sobre suas capacidades, mas forcem a sua zona de conforto em todas as oportunidades que tiverem.

Trabalhe mais sábia e seriamente

Como técnicos, estamos naturalmente obcecados com a construção de uma estratégia melhor. Isso é ótimo e há sempre espaço para trabalhar mais sabiamente, mas também há uma linha tênue entre a eficiência e a preguiça. Cedo ou tarde, vocês precisam parar de procurar atalhos e aplicativos do iPad e começar a fazer o trabalho. Aprendizagem o suficiente para se intitular um especialista leva centenas, talvez milhares, de horas, e construir um negócio online é um trabalho de tempo integral. Se quiserem entrar no jogo, vão em frente. Se quiserem ganhar a vida, então, comecem a trabalhar.

Diga às pessoas o que você faz

Diga às pessoas que tipo de trabalho que querem fazer, em detalhes. Se vocês estão procurando um emprego de período integral, digam explicitamente. Oportunidades não caem do céu só porque vocês estão abertos a elas.

Então, chegue lá, encontre o que te anima, gaste tempo, force os seus limites, crie algo e, em seguida, compartilhe essa emoção. Faça isso e colherá todos os frutos de uma indústria crescente.

iMasters

Propaganda rock 'n' roll da Pepsi com Os Trapalhões

Propaganda da Pepsi com Os Trapalhões caracterizados como estrelas do rock (rockstars) e com as assinaturas de Renato Aragão (Didi), Dedé Santana, Mussum e Zacarias

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Uma imagem

Swan Yamaha's Ian Hutchinson collided with a wayward seagull at the Isle of Man TT during practice and unbelievably stayed on. The only damage being the screen on Hutchy's Yamaha YZF-R1 and even better the seagull was okay after a trip to the RSPCA for a damaged wing!

E a gaivota apenas quebrou uma asa!

Piloto repórter


Um cara com um cameraman e um microfone sai pelos arredores do Texas Motor Speedway para perguntar às pessoas qual seu piloto favorito. Vestindo uma camisa do Dario Franchitti, ele acaba forçando algumas pessoas a responderem que gostam do piloto escocês.

No final, o repórter pergunta aos entrevistados se conhecem um tal Josef Newgarden, campeão da Indy Lights em 2011 e recém-ingresso à IndyCar Series. Após receber uma resposta negativa, o repórter revela que ele e o piloto são a mesma pessoa, o que deixou as pessoas desconcertadas.

Boris Feldman dirige o Benz Patent-Motorwagen


2012 Ford Focus ST review by Auto Express


sábado, 25 de agosto de 2012

‎Renato Bellote acelera o Honda Civic São Paulo Indy 300 Pace Car


Uma imagem

Vitantonio Liuzzi playing GT5 with a T500 RS today at GT Academy Race Camp in Silverstone

Não é só o Sébastien Buemi que está numa situação difícil...

Jeremy Clarkson: At Full Throttle


Neste documentário, de 2000, que teve a participação de Vicki Butler-Henderson, Jeremy Clarkson mostra que, no mundo dos carros customizados, é possível sempre melhorar o que parece perfeito. Veja Vicki, com seu Ford Capri, desafiar Jeremy e seu Brabus Mercedes-Benz CLK. Além disso, Jeremy transforma um simples Rover em um monstro sobre rodas.

The one that got away! Shark Bait! Shark Attack!


sexta-feira, 24 de agosto de 2012

The Champions: Graham Hill


Uma imagem

Sébastien Buemi playing GT5 with a T500 RS today at GT Academy Race Camp in Silverstone (photo courtesy of Kazunori Yamauchi).

A situação está tão difícil assim?

Lance Armstrong perde seus sete títulos da Volta da França e será expulso do ciclismo

O ciclista americano Lance Armstrong destistiu de se defender no processo instaurado pela Agência Antidoping dos Estados Unidos (USADA) contra ele, no qual ele é acusado de usar EPO (Erythropoietina), esteróides e transfusões de sangue como doping para melhorar seu rendimento, entre 1999 e 2005.

Desta forma, Armstrong perderá seus sete títulos da Volta da França e será banido definitivamente do ciclismo, devido ao uso de substâncias proibidas. O ciclista tomou a decisão após um tribunal federal de Austin, Texas, negar seu recurso contra a USADA, abrindo caminho para que a agência prosseguisse com as investigações.

"Virei a página. Não vou insistir neste tema, apesar das circunstâncias. Chega um momento na vida de cada homem que você tem que dizer 'é o suficiente'. Para mim, este momento é agora. O custo disto está pesando sobre minha família e meu trabalho para nossa fundação e me leva a dizer: 'terminei com as bobagens'", disse Armstrong.

"É um dia triste para todos os que amam o esporte e para os nossos heróis esportivos. Este é um exemplo doloroso de como a cultura de vencer a todo custo nos esportes, se não for reprimida, superará a competição leal, segura e honesta. Para os atletas limpos, esta será uma lembrança reconfortante de que há esperança para as gerações futuras de competição em igualdade de condições sem o uso de substâncias proibidas", disse Travis Tygart, diretor-executivo da USADA, que informou à AFP que Lance Armstrong perderá todos os resultados que conquistou a partir de 1º de agosto de 1998.

Lance Armstrong iniciou sua longa história no esporte nas piscinas. Após a natação, iniciou-se no triatlo, onde venceu torneios nas categorias de base. Daí, foi para o ciclismo. Aos 21 anos, venceu o Mundial de Estrada.

Em 1996, no auge de sua carreira, aos 25 anos, anunciou que estava com câncer no testículo. Outros dois tumores também foram descobertos no pulmão e no cérebro. Na época, os médicos diziam que a probabilidade do americano sobreviver era de apenas 40%.

O atleta criou a "Fundação Lance Amstrong" para a luta contra o câncer e escreveu vários livros. Em 1998, após o tratamento, voltou a competir. No ano seguinte, já conquistou seu primeiro título da Volta da França. A partir de então, manteve a hegemonia na competição até 2005, somando sete troféus, quando anunciou o fim da carreira.

No entanto, voltou em 2006, quando disputou a Maratona de Nova York e, em 2008, decidiu retornar às competições internacionais, onde permaneceu até 2011. Os últimos anos da carreira do americano foram marcados por acusações de doping.

Em 2005, começaram as suspeitas de que ele teria usado substâncias proibidas em 1999. Urina congelada do ciclista passou por análise, já que, na época, não havia tecnologia suficiente para isso. O resultado apontou para o uso de Erythropoietina.

Defensores de Armstrong argumentavam que a substância não era proibida na época. Em 2006, ele foi considerado inocente. Entrentanto, novas acusações surgiram em 2011. Dois ex-colegas de equipe revelaram que Lance se dopava.

Em junho deste ano, a USADA acusou-o formalmente do consumo de substâncias ilícitas, baseando-se em amostras sanguíneas de 2009 e 2010, além dos testemunhos dos ex-colegas de equipe e de outros ciclistas.

O press release da USADA sobre a sua decisão pode ser conferido abaixo.

STATEMENT FROM USADA CEO TRAVIS T. TYGART REGARDING DISMISSAL OF ARMSTRONG LAWSUIT

Colorado Springs, CO (August 20, 2012)

"We are pleased that the federal court in Austin, Texas has dismissed Lance Armstrong’s lawsuit and upheld the established rules which provide Congressionally-mandated due process for all athletes. The rules in place have protected the rights of athletes for over a decade in every case USADA has adjudicated and we look forward to a timely, public arbitration hearing in this case, should Mr. Armstrong choose, where the evidence can be presented, witness testimony will be given under oath and subject to cross examination, and an independent panel of arbitrators will determine the outcome of the case."

United States Anti-Doping Agency
Tel: 719.785.2000 • Fax: 719.785.2001 usada@usada.org • www.usada.org
CONTACT: Annie Skinner, Media Relations Manager Phone: (719) 785-2046
E-mail: askinner@usada.org


O pronunciamento oficial de Lance Armstrong em seu site pode ser conferido abaixo.

Lance Armstong's Statement of August 23, 2012

AUSTIN, Texas - August 23rd, 2012 - There comes a point in every man's life when he has to say, "Enough is enough." For me, that time is now. I have been dealing with claims that I cheated and had an unfair advantage in winning my seven Tours since 1999. Over the past three years, I have been subjected to a two-year federal criminal investigation followed by Travis Tygart's unconstitutional witch hunt. The toll this has taken on my family, and my work for our foundation and on me leads me to where I am today – finished with this nonsense.

I had hoped that a federal court would stop USADA’s charade. Although the court was sympathetic to my concerns and recognized the many improprieties and deficiencies in USADA’s motives, its conduct, and its process, the court ultimately decided that it could not intervene.

If I thought for one moment that by participating in USADA’s process, I could confront these allegations in a fair setting and – once and for all – put these charges to rest, I would jump at the chance. But I refuse to participate in a process that is so one-sided and unfair. Regardless of what Travis Tygart says, there is zero physical evidence to support his outlandish and heinous claims. The only physical evidence here is the hundreds of controls I have passed with flying colors. I made myself available around the clock and around the world. In-competition. Out of competition. Blood. Urine. Whatever they asked for I provided. What is the point of all this testing if, in the end, USADA will not stand by it?

From the beginning, however, this investigation has not been about learning the truth or cleaning up cycling, but about punishing me at all costs. I am a retired cyclist, yet USADA has lodged charges over 17 years old despite its own 8-year limitation. As respected organizations such as UCI and USA Cycling have made clear, USADA lacks jurisdiction even to bring these charges. The international bodies governing cycling have ordered USADA to stop, have given notice that no one should participate in USADA’s improper proceedings, and have made it clear the pronouncements by USADA that it has banned people for life or stripped them of their accomplishments are made without authority. And as many others, including USADA’s own arbitrators, have found, there is nothing even remotely fair about its process. USADA has broken the law, turned its back on its own rules, and stiff-armed those who have tried to persuade USADA to honor its obligations. At every turn, USADA has played the role of a bully, threatening everyone in its way and challenging the good faith of anyone who questions its motives or its methods, all at U.S. taxpayers’ expense. For the last two months, USADA has endlessly repeated the mantra that there should be a single set of rules, applicable to all, but they have arrogantly refused to practice what they preach. On top of all that, USADA has allegedly made deals with other riders that circumvent their own rules as long as they said I cheated. Many of those riders continue to race today.

The bottom line is I played by the rules that were put in place by the UCI, WADA and USADA when I raced. The idea that athletes can be convicted today without positive A and B samples, under the same rules and procedures that apply to athletes with positive tests, perverts the system and creates a process where any begrudged ex-teammate can open a USADA case out of spite or for personal gain or a cheating cyclist can cut a sweetheart deal for themselves. It’s an unfair approach, applied selectively, in opposition to all the rules. It’s just not right.

USADA cannot assert control of a professional international sport and attempt to strip my seven Tour de France titles. I know who won those seven Tours, my teammates know who won those seven Tours, and everyone I competed against knows who won those seven Tours. We all raced together. For three weeks over the same roads, the same mountains, and against all the weather and elements that we had to confront. There were no shortcuts, there was no special treatment. The same courses, the same rules. The toughest event in the world where the strongest man wins. Nobody can ever change that. Especially not Travis Tygart.

Today I turn the page. I will no longer address this issue, regardless of the circumstances. I will commit myself to the work I began before ever winning a single Tour de France title: serving people and families affected by cancer, especially those in underserved communities. This October, my Foundation will celebrate 15 years of service to cancer survivors and the milestone of raising nearly $500 million. We have a lot of work to do and I'm looking forward to an end to this pointless distraction. I have a responsibility to all those who have stepped forward to devote their time and energy to the cancer cause. I will not stop fighting for that mission. Going forward, I am going to devote myself to raising my five beautiful (and energetic) kids, fighting cancer, and attempting to be the fittest 40-year old on the planet.


To: Mr. William Bock, III, General Counsel United States Anti-Doping Agency

Dear Bill:

The United States Anti-Doping Agency ("USADA") has presented our client, Lance Armstrong, with the following ultimatum: Agree, by midnight on Thursday, August 23rd, to submit to an unauthorized, ultra vires disciplinary proceeding against him by USADA or accept USADA’s proposed sanction. Given the assertion of jurisdiction and authority by the Union Internationale Cycliste ("UCI"), and its mandate that no one associated with UCI or USA Cycling should participate in such an arbitration, which was confirmed by USA Cycling, Mr. Armstrong cannot proceed into the arbitration. For that reason and based on the reservations articulated by Judge Sparks, it would appear that the appropriate next step for USADA would be to: a) follow the governing rules and submit the information and evidence to UCI for an independent review and decision; or b) take the jurisdictional dispute (which puts Mr. Armstrong in the middle) to the appropriate forum to resolve the issue, the Court for Arbitration for Sport (CAS).

From the beginning, we have challenged USADA’s motives, methods, and authority to proceed with a so-called conspiracy charge against Mr. Armstrong and others. While the federal court concluded that it lacked jurisdiction to address these issues, its decision leaves no room for doubt that our concerns are well-founded. Indeed, the court’s observations make clear that Mr. Armstrong’s arguments that USADA lacks jurisdiction are compelling, and that USADA’s efforts to sanction Mr. Armstrong for alleged conduct dating back to before 1996, had "the smell of bad fish." The ethical implications for an inquisition based on hearsay from witnesses to whom USADA has promised leniency are questionable at best. As for the inclusion of foreigners who have never set foot on US soil, Judge Sparks detected a "stench". As the Court aptly put it, USADA’s conduct has been "motivated more by politics and a desire for media attention than faithful adherence to [USADA’s] obligations.

USADA has no authority to proceed in this matter for all of the reasons we have set out in our previous pleadings, correspondence and my presentation in Federal Court. After Mr. Armstrong filed his federal court action, UCI, the international federation for cycling, and USA Cycling, the national governing body for cycling in the United States, both confirmed that UCI, not USADA, has the exclusive authority and jurisdiction in this matter.

For reasons of its own, which Judge Sparks correctly characterized as suspicious and selfserving, USADA refuses to abide its own governing rules. Mr. Armstrong is not free to pick and choose the rules he must follow. Rather, as a retired international cyclist responding to charges about international events he competed in pursuant to his UCI international license, Mr. Armstrong must follow the rules and decisions of the UCI. Under all the applicable rules, USADA cannot proceed until it submits its evidence to UCI’s independent panel for review and adjudicates any disputes with that panel about jurisdiction, scope, the reliability of the evidence, and all related issues with UCI in CAS. At an absolute minimum, UCI and USADA should go to CAS to resolve the jurisdiction issue before any proceedings begin, a solution offered by UCI but rejected by USADA.

A USADA proceeding would force Mr. Armstrong to arbitrate about jurisdiction in at least two, and perhaps three, arbitrations – AAA and then CAS – and perhaps later in a Swiss court. Then, when even USADA’s unfair multi-stage process confirms that USADA does not have authority or jurisdiction, USADA would then be free to submit the file to UCI for consideration and referral and start what would be another review by CAS prior to any dispositive proceeding. It is fundamentally unfair to put Mr. Armstrong through that costly and time-consuming process, particularly when it is already clear that USADA does not have authority to bring these charges. Mr. Armstrong will, instead, respect the decision of UCI with every confidence that his position should and will be vindicated through independent review by authorities with lawful jurisdiction over this matter. As you are aware, this has been the exclusive and required procedure invoked for every international cyclist except Mr. Armstrong.

We believe UCI’s independent review panel would conclude, as any fair tribunal would, that the little evidence that exists is tainted testimony procured improperly from witnesses trying to profit at Mr. Armstrong’s expense and secured by improper coercion and promises to witnesses. It is also very likely that USADA’s blatant failure to observe its own 8-year statute of limitations by pursuing allegations over 17 years old would be summarily corrected.

In one of USADA’s many recent press releases, USADA’s CEO, Travis Tygart, stated that "Mr. Armstrong agreed to play by the same rules that apply to every other athlete and we believe he should not be allowed to create a new set of rules that apply only to him." But if USADA were sincere about its repeated admonitions, then USADA should follow the governing rules, under which UCI has exclusive authority for this matter.

Any organization that is serious about fair play, integrity, and respect for rules, would take Judge Sparks’ criticisms to heart, rather than waste taxpayer money in the vindictive pursuit of Mr. Armstrong. Sadly, based upon our experience with USADA over the recent months, we have little confidence that USADA has the institutional character for that task. Indeed, the Court further observed that "USADA’s apparent single-minded determination to force Armstrong to arbitrate’ indicated that USADA was "acting according to less noble motives" than to combat doping. To be clear: Mr. Armstrong is not requesting a AAA arbitration because -- unlike USADA – he respects the rules applicable to him and not because of any belief that USADA’s charges have merit or any fear of what a fair proceeding would establish.

Finally, you are on notice that if USADA makes any public statement claiming, without jurisdiction, to sanction Mr. Armstrong, or to falsely characterize Mr. Armstrong’s reasons for not requesting an arbitration as anything other than a recognition of UCI jurisdiction and authority, USADA and anyone involved in the making of the statement will be liable.

Very truly yours,

Timothy J. Herman

Robert Luskin

Compre Playboy e escute as piadas

Mecanismo que permite ao leitor ouvir as piadas da última página da revista integra lançamento do novo Punto

A funcionalidade Social Drive do Fiat Punto permite conexão a redes sociais e portais de notícias pelo seu sistema de navegação. Para mostrar as vantagens dessa funcionalidade na mídia impressa, a Agência Fiat veicula anúncio com um chip embutido na edição de agosto da Playboy, da Editora Abril.

Ao apertá-lo, os leitores da revista, ao invés de ler, poderão ouvir as piadas da última página da revista. O anúncio, na página das piadas, brinca: "Quem não tem o novo Punto lê. Quem tem, ouve". Ao lado, anúncios na terceira e quarta capa destacam outros diferenciais do modelo.

O vídeo abaixo, preparado pela agência, mostra a mecânica do formato especial. A criação é de Julio D’Alfonso e Murilo Melo, com direção de Marcelo Reis e Guilherme Jahara. As ilustrações são da Vetor Zero.

Meio & Mensagem

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

O Making Of do Grand Prix


Assista os bastidores do filme "Grand Prix", de John Frankenheimer, que cria uma temporada fictícia do ano de 1966, que, assim como na versão real, começa no Grande Prêmio de Mônaco.

As cenas do filme foram gravadas no mesmo final de semana da corrida, aproveitando a atmosfera, público e movimentação do local. Phil Hill, Graham Hill, Richie Ginther, Lorenzo Bandini e Jack Brabham participam das filmagens. Além disso, após o registro das imagens para o filme, Phil carregou uma câmera no seu carro durante o GP real.

Esta corrida também marcou a estreia da equipe McLaren na Fórmula 1. Jim Clark foi o pole position, mas perdeu a liderança para John Surtees, que andou na frente até ser forçado a abandonar, em virtude de quebra do diferencial. Jackie Stewart assumiu a ponta e venceu a prova, seguido de Lorenzo Bandini, Graham Hill e Bob Bondurant.

Rhys Millen - World Record Run - Pikes Peak International Hill Climb 2012 - 9:46.164 - Onboard [FULL CLIMB]


Top Gear Australia: Build Your Own Electric Car




Warren Brown e Steve Pizzati foram desafiados a criar seu próprio carro movido à pil... quer dizer, elétrico, e colocá-lo na pista para ver qual é o mais rápido.

Bugatti Veyron Grand Sport Vitesse review by Autocar


quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Vicky Parrott drives Morgan Threewheeler


Lotus Exige V6 Cup racer


O Lotus Exige ganhou uma versão para a competição em pista. O Exige Cup possui um motor V6 3.5 que produz 346 CV de potência, fazendo o carro de 1.079 kg acelerar de zero a 100 km/h em 3,8 segundos.

No veículo está disponível o Lotus Dynamic Performance Management, que permite três ajustes de comportamento para o motor: Touring, Sport e Race. A aerodinâmica foi revisada, do spoiler dianteiro ao difusor traseiro. Além disso, a suspensão é totalmente ajustável e os pneus são Pirelli P-Zero Trofeo.

No carro ainda se encontra uma gaiola de proteção, bancos compatíveis com o HANS Device, cintos de segurança de quatro ou seis pontos, chave geral, sistema de extinção de incêndio certificado pela FIA, pontos de reboque e volante removível.

Há também uma versão para track days, ao preço de 98.855 dólares, e uma variante de competição com a frente rígida, por 117.686 dólares. As primeiras vinte unidades estarão disponíveis em dezembro. O modelo poderá competir em diversos campeonatos Lotus Cup ao redor do mundo.


Carlos Lago drives 2013 Ford Mustang GT


Go! Go! Rescue the car!


segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Tiff Needell demonstrates Sidecar Racing


O ex-piloto de Fórmula 1 Tiff Needell explica o funcionamento de um sidecar, uma espécie de motocicleta de três rodas, onde duas pessoas devem estar no veículo ao mesmo tempo: um pilota e o outro fica na parte traseira, usando o próprio corpo para criar um contra-peso, melhorando a performance nas curvas, tentando evitar que a parte do veículo interna à curva se erga, perdendo contato com o solo.

Neste vídeo, Tiff faz o "papel mais difícil e perigoso", ao passo que quem assume o guidão é Steve Webster, decacampeão da Sidecar World Championship.

Ferrari F12 Berlinetta driven by Autocar's Matt Saunders at Pista di Fiorano


Top Gear: Audi R8 V10 vs. Chevrolet Corvette ZR1


MV Agusta F4RR Corsacorta review by Sport Rider Magazine's Bradley Adams


domingo, 19 de agosto de 2012

Perdendo por um pé


Se há alguém com quem acontece as coisas mais imprevisíveis, este alguém é Danica Patrick. Não bastando o fato de ser uma mulher numa categoria tradicionalmente masculina, e ainda por cima, liderando uma prova, eis que o improvável acontece.

Durante a etapa de Montreal da NASCAR Nationwide Series, a piloto passa por cima de um objeto que estava na pista. Detalhe: o tal objeto era um sapato, atirado por um dos transeuntes que estavam na arquibancada. Após isso, o carro de Danica perdeu rendimento, ela foi ultrapassada, e acabou tendo que fazer um pit-stop de emergência, ficando para trás.

Com isso, a disputa pela vitória ficou entre Justin Allgaier e Jacques Villeneuve, o piloto da casa. O canadense liderou 43 das 81 voltas, e era o líder na última volta do segundo "green-white-checkered", quando recebeu um toque na traseira do seu carro por Justin, manobra popularmente conhecida como "totó".

Jacques acabou sendo ultrapassado também por Sam Hornish Jr., companheiro de equipe na Penske, terminando a prova em terceiro. Como não se conformou com a manobra de Allgaier, enquanto o vencedor comemorava com os tradicionais "zerinhos", Villeneuve parou ao seu lado e gritou esbravejado, como se fosse um simples incidente de trânsito em via pública.

"Não fiquei sem combustível. Simplesmente fui tirado da prova por Allgaier", disse Jacques. "Ele freou antes do normal", disse Justin.

Formula Cross YFC 450 Series 1


O Formula Cross YFC 450 Series 1 é um carro de rally que usa como base o 2012 Yamaha YFZ 450 ATV, e custa 7.500 dólares. Caso você queira um kit de quarenta opcionais, precisará tirar do bolso mais 1.350 dólares. Mas, atenção, esses são os preços para o carro desmontado. Exatamente! Você precisará montá-lo antes de sair correndo por aí.

A empresa garante que cada item de sua criação é customizável, portanto, se ainda tiver tempo, e paciência, você terá diversão ao tentar incrementar o seu veículo, cujo peso, abastecido com combustível, óleo e fluidos, chega a 281 kg.

O veículo já está em pré-venda. Caso queira um, precisará desembolsar 2.500 dólares agora, para vê-lo só em novembro.

Formula Cross YFC 450 Series 1 Information

Kit Price - $7,500
Pre-Order Deposit - $2,500
Turn Key New or Used ATV to FC Installation Services Available - $1,350

Formula Cross is now accepting pre-orders for the YFC 450 Series 1 model. A pre-order deposit of $2,500 will secure your place on a first come basis.

The world of Formula Cross has arrived. Turn your Yamaha® YFZ450 into a Formula Cross Kart. Full detailed images and videos coming soon.

VEHICLE SPECS
73" Wheel Base
41" Track Width
42" Height
117" Overall length
12" Wheel Travel**
620 lbs Wet**

FEATURES
- Electric Start
- Disc Brakes
- Bias Adjustable Brake System
- Dual Master Cylinders
- Sequential Hand Shift
- Front Adjustable Sway Bar
- Wide Track Front A Arms**
- Wide Track Rear Axle**
- Tubular Chassis With Build It Roll Cage
- Ride Height Adjustable Chassis
- Racing Steering Wheel

SAFETY
- Fiberglass Racing Seat

- Adjustable Seat Slider
- 4 Point Harnesses
- Safety Window Net
- Powder Coated Roll Cage
- Roll Bar Pads

BODY
- Fiberglass FormulaCross Body (Series 1) (White Shell Blank Canvas)
- 4 AeroCatch Body Latches
- Front Bumper Urethane Lip
- FormulaCross Rally Wing (Series 1)
- Hinging Door For Easy Access

Customize
Every part of the Formula Cross can be customized. Seats, steering wheels, harnesses, wheels to tires. Let us help you build your perfect rally kart. Contact for details.
Installation

Every BIY (Build-It-Yourself) Kit comes with a detailed manual for easy step-by-step installation. No welding required.

or

Have your new or used ATV delivered to Formula Cross Headquarters for a turn key installation. ($1,350) Contact for details.

Full Kit Includes
- Formula Cross Chassis (Powder Coated)
- Formula Cross Body (Series 1)
- Wing
- Front Bumper Lip
- Sway Bar
- Jack Shaft
- Shaft Bearings
- Sprockets
- Engine Mount Adjust
- Engine Mount
- Steering Shaft Kit
- Rack and pinion
- Steering Wheel
- Hub
- Clutch Lever
- Exhaust Extension
- Yam Exhaust Clamp
- Yam Exhaust Gasket
- Brake Pedal
- Gas Pedal
- Master Cylinders
- Balance Bias
- Roll Bar Pads
- Brake Lines
- Brake Cables
- Under Protection
- Aluminum Covers
- Seat
- Sliders
- Belts
- Axel
- A-Arms
- Radiator Duct
- Body Mounts
- Front and Rear Body Mesh
- Windows
- Window net
- Door Latch
- Body Heat Shield
- Radiator Piping and Hoses
- Hardware


Important Information:

BIY - Build-It-Yourself

Prices does not reflect shipping costs or taxes at this time. Used ATV's parts may need replacement due to wear and tear.

* Delivery Date subject to change. Orders will be shipped on a first come basis..

** on selected models

*** Yamaha® & YFZ are registered trademarks of the Yamaha® Corporation


La carrera de Gilles Villeneuve


iPhone 4S explode no bolso

Um vídeo capturado por um sistema de vigilância mostra o momento em que o iPhone 4S do finlandês Henri Helminen, de 17 anos, entra em combustão espontânea. De acordo com a revista local SK24, o fogo derreteu a tela do aparelho e destruiu sua carcaça, e quase causou ferimentos seu proprietário.

O site especializado em tecnologia móvel KnowYourMobile questionou a veracidade do vídeo, alegando que pode não ter sido o iPhone 4S que queimou no bolso de Helminen. O site também mencionou o fato de ser uma coincidência que o iPhone tenha se auto-destruído na frente de uma câmera de vigilância.

Entretanto, as estatísticas indicam um histórico de iPhones e outros produtos da Apple que se consumiram em chamas. Em novembro de 2011, um iPhone 4 de um passageiro de um avião queimou em pleno voo, emitindo o alerta de fogo da aeronave, quando estava pousando em Sydney. A Apple também teve que fazer um recall de seus iPods Nano, devido a superaquecimento de suas baterias.

Em 2009, a União Europeia começou uma investigação depois de receber inúmeras reclamações de iPhones e iPod Touches pegando fogo durante voos comerciais em vários países da Europa.

sábado, 18 de agosto de 2012

IndyCar Series Explains Wheel Nuts


IndyCar Series explains Push To Pass


Jon Beekuis explica o funcionamento do sistema "Push 2 Pass" no carro da temporada 2012.

Jeremy Clarkson's Motorsport Mayhem


Neste documentário, de 1995, Jeremy Clarkson mostra as peripécias, curiosidades, acidentes e imagens espetaculares do esporte a motor, desde o seu começo, no início do século vinte.

2012 Porsche Cayman R


sexta-feira, 17 de agosto de 2012

BikeLink: Advanced Helmet Lightning


Um projeto da Fundable tenta trazer ao mercado um sistema de luzes de LED para motociclistas usarem em seus capacetes e aumentarem sua percepção por parte dos outros condutores no trânsito.

Há uma base, instalada na parte inferior traseira do capacete, que recebe sinais de um transmissor, acoplado no chicote da motocicleta, que envia os comandos para emitir luzes de pisca-pisca, freio, pisca-alerta e até mesmo marcha a ré, caso a motocicleta a tenha.

Os padrões e cores das luzes emitidas pela base podem ser customizadas via um aplicativo de celular. Além disso, você pode sincrionizar múltiplos capacetes para uma única motocicleta, no caso, os do piloto e do carona, como também sincronizar duas motocicletas para um único capacete.

No entanto, você ainda não pode adquirir uma unidade do BikeLink. É um projeto que está buscando investidores. Até o momento, apenas 9 mil dólares foram arrecadados, a meta é conseguir 75 mil. Mais informações podem ser obtidas no endereço bikelinkllc.com.

Uma imagem

1952 Ferrari 500 cockpit & pedals, Alberto Ascari 1952-53 F1 World Champion

1952-53 F1 World Champion Alberto Ascari's 1952 Ferrari 500 cockpit & pedals

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Radical SR3 SL - Silverstone Circuit - Onboard


Ford Mustang Shelby GT500KR de Carroll Shelby vai a leilão


Após a morte de Carroll Shelby, em maio, aos 89 anos, todos os objetos que eram de seu pertence ganharam ainda mais valor, principalmente um 2009 Ford Mustang Shelby GT500KR, que foi produzido para celebrar o aniversário de 85 anos de Carroll, e essa unidade pertenceu ao próprio, que a usava pessoalmente no rancho em que vivia.

Outra exclusividade do carro é a assinatura de Carroll no painel. O carro será leiloado pela Vicari Auction, nos dias 12 e 13 de outubro, no Mississippi, Estados Unidos. O preço inicial é de 120 mil dólares. O chassi #445 tem menos de 2.500 quilômetros rodados e, depois de Shelby, já teve outro dono.

A empresa garante que o vencedor do leilão receberá uma cópia da documentação do veíulo com o nome de Carroll Shelby impresso, além do certificado de autenticidade do veículo e a nota fiscal de venda para o dono atual.

Desde 2008, após o Ford Mustang Shelby GT500KR foi revelado ao público no Salão de Nova York, foram produzidas 1.712 unidades, equipadas com um motor 5.4 V8 sobrealimentado por supercharger, o que faz o carro produzir 547 CV, aliados à uma transmissão manual de seis marchas. Esta versão foi feita para comemorar os 40 anos do Ford Mustang.

Veja o anúncio no site da Vicari Auction.

Jeremy Clarkson drives TVR Sagaris


Le Mans Classic 2012 - 1965 Ford GT40 - Emanuele Pirro - Onboard


sábado, 11 de agosto de 2012

GO-GO Multi-Function Gaming/Rocking Chair


A Omgigho revelou um cockpit para simuladores de corridas de automóveis que, enquanto ninguém está jogando, pode ser utilizada como uma poltrona. Além disso, também pode ser usada como um desktop, para trabalhar com o notebook, ou ainda, como uma cadeira de balanço.

O projeto está no KickStarter, onde espera investidores que queiram aplicar dez mil dólares. E com menos de três semanas até o prazo final, já conseguiu doze mil.

A cool rocking chair that converts into either a fantastic laptop workstation or an ideal gaming chair. It rocks, rolls and works!

The GO-GO is the first of its kind: A cool rocking chair that converts into either a fantastic laptop workstation or an ideal gaming chair. We think it brings the best of both worlds - form and function - to the living room, working environment and the gaming world alike!

How does the GO-GO......go?

When closed, the GO-GO is a modern rocking chair. The base is birch wood with black rubber trim. The design of the GO-GO incorporates the use of an actual auto seat. Whenever you want to convert the rocker for either gaming or working, simply tilt back the auto seat and reach into the hidden compartment within the base of the chair. Then pull out and extend the hidden foot rest and arms. The GO-GO as a workstation is great for those times when an additional working surface is needed to do work, catch up on e-mail or simply surf the net. The GO-GO as a cockpit provides one of the best simulated driving experiences anywhere. Its sturdy construction provides the look and feel that you are in the seat of a real race car.

How will OMGIGHO use Kickstarter funds?

In brief, OMGIGHO will use Kickstarter funds to improve the fit and finish of the delivered GO-GO product.

The design for the GO-GO was originally conceived to be the world's first convertible gaming chair. Soon after our first GO-GO prototype was finished, we realized that it had even greater potential as a space saving laptop workstation. With your funding, we will be able to continue to refine the design of the laptop workstation ergonomics. We will keep our Kickstarter community updated on our improvements throughout our campaign.

The current GO-GO is unpainted birch wood. While the unfinished version allows one the creative freedom to finish it any way they desire, we realize that many backers would prefer finish options. With your funding, we will have the ability to offer the GO-GO in a variety of colors and finishes. We will provide ongoing updates to our Kickstarter community regarding new finishing options throughout our campaign.

How will you use the GO-GO?

Are you a gamer? Would you like more portable workspace? Or do you just want a uniquely styled and exceptionally comfortable rocking chair? How you use the GO-GO is up to you.

As a rocker, the use of an actual auto seat makes the GO-GO rocking chair fully adjustable. It's unlike any other rocking chair ever created.

For gamers, we’ve specifically designed the GO-GO to work with the most robust controllers used for driving simulation on the market.

For workers, we've designed the GO-GO's laptop tray to accomodate laptops up to 17 inches.

One Heck of a Race Car Driving Simulator – Whether you’re into Gran Turismo or Need for Speed, NASCAR or Formula 1, we feel the GO-GO is the ideal setting for the simulated driving experience.

Comfy Workstation – The GO-GO allows a quick way to set up a portable and fully adjustable workstation in your dorm, office, den or media room.

Ultimate Commute – Do you have the option to work from home? With a fully adjustable auto seat affixed to the GO-GO, you'll work in complete comfort. Plus, it will be the only auto seat you'll need to get in and out of during the course of the work day.

Eclectic Show Piece – The GO-GO looks smart and sleek in either rocking chair or game/workstation mode.

Driver’s Ed. – Teaching others to drive? The fully equipped GO-GO works with all PC-based educational driving simulation software used at today’s driver education schools.

GO-GO features

Portable Storage - The GO-GO can be rolled almost anywhere you want.

Total Seat Adjustment Functionality - As with most automotive seats found in motor vehicles, the seat installed to the GO-GO's base has a full range of adjustment (i.e. backwards, forwards and reclinable).

Reduce, Reuse, Recycle, Repurpose - Do you have an old car that you can’t keep but would like to keep a piece of? If your auto seat is 23" wide or less, with a little DIY, you can install it on the GO-GO so that your memento may be given new life. As long as the base width of your seat is 23” or less (most seat models are 20" - 22" wide), it will fit perfectly on the GO-GO base. Of course, some DIY rigging may be required for any repurposed seat, but if your like us, thats just part of the fun!

Seat Alternatives - Let's face it: Not all of us have a spare car seat lying around or care to acquire one on our own. If you don’t have a specific car seat ready to install on the GO-GO's base, we have reward tiers that include our custom rail system installed with standard black racing seat.

GO-GO specifications

Colors - The GO-GO rocking chair base is natural birch wood with black rubber moldings and trim. You have the freedom to finish the wood to your desire. Our auto seat is black and made of cloth w/ microsuede insert. With your support, we can expand the selection of available seats to accomodate a variety of styles and colors.

Recommended Driving Controller - Logitech G27 or G25. Other controllers are also supported.

Styles - Chair can be configured as either a driving simulator or workstation

Weight - GO-GO chair base is 55 lbs

Size - L 39” x W 26” x H 45” closed rocker, L 68” x W 26” x H 45” open

Caterham Lola SP/300.R claims new 1:01.89 record lap at Cholmondeley Pageant Of Power 2012


LAP RECORD SMASHED BY CATERHAM AT PAGEANT OF POWER

- Caterham's SP/300.R takes overall win
- Achieves fastest ever lap of 61.89 seconds

Caterham's 300bhp SP/300.R took on all comers and delivered the fastest lap for a car during the Cholmondeley Pageant of Power, the annual show held in the grounds of Cholmondeley castle.

Kevin Schwantz, 1993 Motorcycle World Champion


Poucos motociclistas trabalharam tanto, ganharam tanta popularidade ou tiveram tantas emoções no caminho para conquistar seu primeiro título mundial de motociclismo como Kevin Schwantz. O texano teve sua oportunidade em 1993, depois de um campeonato onde seus incontáveis fãs estiveram em cada circuito para acompanhá-lo.

Neste documentário de uma hora, cenas de bastidores com Kevin, sua família e a equipe Suzuki. Schwantz dirige um Bugatti EB110, joga golfe e fala sobre o lado sério de sua profissão.

Le Mans Classic 2012 - 1969 Ferrari 312 P - Arnold Meier - Onboard


sexta-feira, 10 de agosto de 2012

2013 Hyundai Veloster Turbo review by Car And Driver


Top Gear Australia: Ute Challenge




Warren Brown e Steve Pizzati foram desafiados a criar um Ute a partir de um carro com capota rígida. Os Utes não são nada mais que uma variação das picapes brasileiras, como a Volkswagen Saveiro e a Ford Pampa. No entanto, o mercado de lá é diferente. Algumas picapes de lá são vendidas como carros de luxo, e têm um "tempero" adicional: motores V8!

Warren pegou um Toyota Tarago e Steve utilizou um Honda Prelude para realizar as transformações e colocá-los a realizar diversos desafios.

Jethro Bovingdon drives Ferrari F12 Berlinetta at Pista di Fiorano and Ferrari 599 GTO on the road


quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Modified Honda CBR250R vs. Kawasaki Ninja 250S


Convite com foto de casa é feito e entregue na hora ao dono, convidando-o para dirigir Porsche


A Pfaff Auto, concessionária de Toronto, Canadá, realizou uma inusitada ação de marketing, na qual uma equipe ia até a frente de uma casa, com geradores de eletricidade, impressoras, enfim, todo o necessário para imprimir uma espécie de "cartões postais" na hora.

E tudo pra quê? Para que um encarregado da concessionária estacionasse nada menos que um Porsche 911 Carrera S no pátio da casa escolhida como "alvo" da ação.

O carro é fotografado, destacando também a casa no trabalho final. Depois, um cartão é impresso e jogado por baixo da porta da casa. No cartão, havia um convite para alguém da casa realizar um test drive no veículo que estava na foto.

O resultado da campanha? Satisfatório! Pois 32% das pessoas que receberam o cartão foram até a Pfaff Auto para realizar o sonho de dirigir um Porsche.

Culprit Bicycles lança bicicleta speed com freios a disco


A fabricante taiwanesa Culprit Bicycles está lançando a Culprit Croz-Blade, bicicleta para ciclismo de estrada que possui um diferencial em relação às outras: possui freios a disco, em vez dos tradicionais ferradura.

O fundador da empresa, Joshua Colp, diz que "os freios a disco são o futuro para as bicicletas speed". Além disso, adianta que a Culprit irá oferecer freios hidráulicos da TRP Parabox ou TRP TTV, atrás do garfo e sob da escora da corrente, para uma configuração que privilegie a aerodinâmica.

O protótipo mostrado pesa 7,3 kg. O quadro de 56 cm foi construído com os componentes SRAM Red, TRP Parabox e barras c-c de 440 mm, além de haste de 110 mm e rebitadores de rodas de 58mm, ambas em fibra de carbono.

Cinco opções de decalques e cinco opções de pintura estarão disponíveis. Colp diz que a versão final que será produzida para o público será mais leve e estará disponível no final de 2012 ou início de 2013, mas o preço ainda não está definido. A Culprit Bicycles também oferecerá uma linha exclusiva de bicicletas de competição para crianças.
KART CROSS | DRIVETRIBE | BECOME A MEMBER