segunda-feira, 29 de novembro de 2010

SEGA Rally 2


2011 Morgan Threewheeler


A Morgan resolveu aderir também à "moda verde", mas, ao contrário das outras fabricantes de automóveis, que gastam bilhões em tecnologia híbrida, vai aderir à outra "moda", a retrô.

A Morgan anunciou planos para construir um Threewheeler moderno. O modelo de três rodas existiu entre 1909 e 1953. Com as vendas planejadas para começar em 2011, o Threewheeler terá carroceria de alumínio, rodas preto fosco, e escapamento duplo. Internamente, os ocupantes encontrarão estofamento de couro, panel anodizado, interruptores com estilo semelhante aos das aeronaves e um botão para partida do motor chamado "Bomb Release".

O motor do 2011 Morgan Threewheeler será o mesmo que equipa as motocicletas da Harley Davidson, de 1.800 cm³ e que gera 100 CV de potência. A transmissão virá da Mazda, manual de cinco marchas. O veículo pesará apenas 500 Kg, o que permitirá acelerar da inércia aos 100 Km/h em 4,5 segundos e atingir a velocidade máxima de 185 Km/h.



Destaques do Los Angeles Auto Show 2010


Porsche Cayman R




Mercedes-Benz CLS63 AMG






Fiat 500






Land Rover Evoque Five-Door




Saab 9-4x






Dodge Charger




Dodge Durango




Dodge Lineup




Chrysler 200




Jaguar C-X75




Chevrolet Camaro Convertible








Mazda Shinari Concept






Nissan GT-R




Nissan Murano CrossCabriolet






Nissan Quest






Nissan Ellure Concept






Toyota Corolla




Toyota RAV4 EV prototype






Volkswagen Eos




Cadillac ULC Concept




Kia Optima Hybrid




Subaru Impreza Design Concept






Hyundai Elantra








Honda Fit EV




Mitsubishi i




Mitsubishi iMiev




Buick Regal GS




Highlights


sexta-feira, 26 de novembro de 2010

F1 2010 Season Review


A temporada de 2010 da Fórmula 1 foi uma das melhores da história da categoria máxima do automobilismo. E não é para menos: o Yas Marina Circuit, circuito de Abu Dhabi, foi o primeiro na história a sediar uma batalha entre quatro pilotos pelo título de pilotos da Fórmula 1, superando as expectativas de um traçado que é bastante criticado por não oferecer muitas possibilidades de ultrapassagens. Em vez da potencial monotonia, entrou em seu lugar a tensão.

Ao longo das 19 etapas, nenhum piloto conseguiu estabelecer uma dominância no topo da tabela de classificação. Fernando Alonso, Mark Webber e Lewis Hamilton disputavam ferrenhamente a liderança do campeonato, ao passo que Sebastian Vettel só acompanhava os passos do trio. Era impossível definir durante a temporada qual piloto seria o potencial campeão, e isto foi reforçado pelo fato de que o real vencedor nunca havia liderado a tabela de pontos em 2010.

Incrivelmente, a única ocorrência no aspecto político que gerou maior impacto nos bastidores foi a ordem da Scuderia Ferrari para Felipe Massa deixar Fernando Alonso ultrapassá-lo e vencer o Grande Prêmio da Alemanha, além da forma como a Red Bull Racing tratou seus pilotos ao longo da temporada, gerando especulações sobre um possível favorecimento a Sebastian Vettel, e a disputa entre a Lotus Racing e a Renault pelos direitos de uso da marca "Lotus" em 2011.

As atenções na Fórmula 1 em 2010 se voltaram para o que realmente importava, as corridas. A temporada mais disputada em décadas transcorreu em sua essência: uma competição esportiva entre equipes e pilotos que nunca perdeu o foco para qualquer outro assunto extra-pista.

A Red Bull Racing dominou do início, pelo menos na performance de seus bólidos. Adrian Newey e Rob Marshall fizeram um trabalho fabuloso no RB6, principalmente na aerodinâmica, como também na suspensão, do tipo pull-rod, que funcionou bem melhor que no McLaren MP4-25 e no Force India VJM03, que usaram um sistema semelhante. Por um longo tempo, os rivais tentaram achar algum vestígio de um sistema de regulagem de altura que permitia alterar a configuração entre o parc fermé e a corrida, ou que a asa dianteira fosse flexível a ponto de gerar maior downforce. As regras foram ficando mais rígidas ao longo de 2010, mas nada disso alterou a performance do RB6.

O grande problema dos carros da Red Bull Racing era a sua confiabilidade, que deixou seus pilotos pelo caminho várias vezes, a começar pelo Bahrain, quando um cabo de vela com problemas deixou Sebastian Vettel sem condições de lutar pela vitória. Depois, na Austrália, problemas nos freios fizeram o alemão abandonar a prova, resultado da atitude de Adrian Newey de fazer os discos de freio mais leves, deixando eles menos resistentes.

A vitória naquela prova foi de Jenson Button, recém-chegado à McLaren, que optou por uma estratégia de pit stops agressiva, pois a instabilidade climática imperava no Melbourne Grand Prix Circuit. Vettel finalmente pôde fazer jus ao carro que tinha, conquistando a vitória na Malásia, com Mark Webber completando a dobradinha. Na China, foi a vez da McLaren conquistar os lugares mais altos do pódio, com Jenson Button vencendo novamente, e Lewis Hamilton chegando em segundo. Isso mostrou que o campeão de 2008 poderia ter trabalho para superar o de 2009, mas a sorte de Jenson começou a acabar assim que a fase europeia teve início.

Quem começou a mostrar as caras a partir dessa ocasião foi Mark Webber. Bastante motivado, venceu na Espanha e em Mônaco, mostrando a velocidade que teve em 2009, na Alemanha e no Brasil, para abalar as estruturas da Red Bull Racing, cujo marketing era direcionado para Sebastian Vettel, tido como o "preferido da equipe". O estopim da confusão foi aceso na Turquia, quando um acidente entre Vettel e Webber acabou com as chances de dobradinha da Red Bull Racing naquele GP, entregando o pódio para a McLaren, e gerando uma disputa pela primeira posição entre os pilotos britânicos da equipe prateada tão intensa quanto à da equipe rubro-taurina.

Lewis Hamilton acabou vencendo na Turquia e também no Canadá, onde as gritantes diferenças de desgaste entre os compostos médio e supermacio geraram uma corrida empolgante. Em Valência, Vettel venceu o Grande Prêmio da Europa, onde Mark Webber "ganhou asas e voou", graças a uma colisão na traseira de Heikki Kovalainen, na pressa de efetuar uma ultrapassagem sobre a Lotus do finlandês, a fim de recuperar o tempo que havia perdido durante a primeira parte da prova.

Na Inglaterra, entretanto, o australiano triunfou, depois de um treino de classificação conturbado, quando teve sua asa dianteira atualizada sendo substituída por outra antiga, para favorecer Sebastian Vettel, que havia quebrado a sua durante o sábado, e não havia outras para reposição.

As coisas estavam difíceis para a Ferrari em 2010, apesar da vitória na primeira prova. Um erro cometido por Fernando Alonso no treino da manhã de sábado no Grande Prêmio de Mônaco pode ter sido o que lhe custou as chances de conquistar o título, já que ultrapassar, nas ruas de Monte Carlo, não é uma tarefa das mais fáceis. As F10 estavam totalmente fora do páreo na Turquia. Na Inglaterra, Alonso recebeu um drive-through após ultrapassar Robert Kubica na área de escape, um erro duro de aceitar, quando cometido por um bicampeão.

As coisas mudaram na Alemanha. Felipe Massa liderou Fernando Alonso, rumo a uma dobradinha. No entanto, uma ordem de equipe obrigou o brasileiro a deixar o espanhol vencer a prova, justamente um ano após o acidente que o retirou das pistas em 2009, na Hungria, quando uma mola que caiu do carro de Rubens Barrichello atingiu a cabeça de Felipe Massa. Novamente, para muitos, o uso de ordens de equipe por parte da equipe italiana deixou um gosto amargo na boca.

Mark Webber venceu mais um GP na Hungria, quando um novo erro de Sebastian Vettel, ficando muito lento atrás do safety car, impedindo Fernando Alonso de prosseguir com maior liberdade pela pista, o que gerou um driving-through para o alemão. na Bélgica, Sebastian errou novamente, quando errou a freada na Bus Stop, atingindo Jenson Button e retirando o inglês da prova. Hamilton venceu lá, com Webber em segundo, recuperando-se de uma largada ruim, em razão de problemas com a embreagem, e Robert Kubica, em terceiro, completando o pódio.

Alonso venceu na Itália, depois de Jenson Button liderar a primeira metade da prova e perder a liderança em um pit stop mal realizado. Hamilton abandonou na primeira volta, após tocar no carro de Felipe Massa, e suas chances de título reduziram-se ainda mais no GP de Cingapura, depois de se envolver em um toque com Mark Webber, após uma tentativa de ultrapassagem, abandonando a prova noturna. Fernando Alonso conseguiu segurar Sebastian Vettel e venceu o GP, tornando-se o principal rival de Mark Webber na luta pelo título.

No Japão, Vettel venceu, assim como o fez em 2009, e Mark Webber chegou em segundo. Na Coreia do Sul, Sebastian estava no caminho certo para aumentar ainda mais suas chances de título, mas o estouro de seu propulsor o deixou pelo caminho, entregando a vitória para Fernando Alonso, o que permitiu que o espanhol assumisse a liderança na classificação entre os pilotos, já que Mark Webber perdeu o controle de seu RB6 na chuva e envolveu-se em colisão com Nico Rosberg, fazendo os dois abandonarem a prova.

Uma dobradinha da Red Bull Racing no Brasil garantiu o título de construtores para a equipe rubro-taurina e adiou a decisão do campeonato de pilotos para Abu Dhabi, última etapa da temporada. A recusa da equipe em ordenar Vettel deixar Webber ultrapassá-lo, medida semelhante à tomada pela Ferrari na Alemanha, reacendeu a polêmica sobre as prioridades para ambos os pilotos.

No Yas Marina Circuit, era a primeira vez que quatro pilotos tinham a chance de conquistar o título na última prova do campeonato. Sebastian Vettel fez a pole position e venceu a prova, tornando-se o mais jovem campeão da história da Fórmula 1, com 23 anos, 4 meses e 11 dias.

A Renault teve um progresso brilhante ao longo da temporada, depois de um péssimo início, com Robert Kubica liderando as melhoras no R30, principalmente com suas belíssimas performances em Mônaco, Austrália e Abu Dhabi, mostrando que, com um carro competitivo, é um piloto bastante competente.

A Williams, apesar das palavras de Patrick Head, dizendo que não foi um ano realmente bom para a equipe, melhorou o suficiente para conquistar a sexta posição no campeonato de construtores, superando a Force India, que sofreu muito com a perda de James Key e Mark Smith, e, apesar dos esforços de Adrian Sutil e Vitantonio Liuzzi, ficaram apenas em sétimo na classificação por equipes.

Foi um ano de "vacas magras" para BMW Sauber e Scuderia Toro Rosso, apesar da reputação de Kamui Kobayashi como um dos que melhor sabem ultrapassar na atualidade. A Lotus Racing, no final das contas, saiu no lucro, uma vez que a Virgin Racing teve problemas com os tanques de combustível, que não eram grandes o suficiente para que seus carros, totalmente construídos usando a tecnologia CFD (computational fluid dynamics), terminassem um GP, deixando de conquistar posições preciosíssimas para superar os carros verde e amarelo.

Apesar das descrenças de muitos, Lotus e Virgin continuarão em 2011, e focarão seus esforços em superar Toro Rosso e Force India. Muitos ficaram surpresos também com a Hispania Racing Team, que conseguiu alinhar dois carros no grid. Entretanto, Colin Kolles teve um enorme trabalho para isso, já que o F110, desenvolvido pela Dallara, era bastante inferior aos carros das demais equipes, em razão das dificuldades financeiras.

A Bridgestone deixa a Fórmula 1, onde estava desde 1997. A proibição dos reabastecimentos fez a diferença ao espetáculo.

Michael Schumacher volta à Fórmula 1, com a Mercedes GP, com seu W01, uma tentativa de evolução do vitorioso Brawn GP BGP 001, no qual o heptacampeão não conseguiu se adaptar com perfeição, perdendo para o companheiro de equipe, Nico Rosberg. O carro saía de frente, o que favoreceu Nico, mas deixou Michael com problemas. Uma consequência disso ocorreu no GP da Hungria, quando fechou o caminho de Rubens Barrichello, quase provocando um acidente, espremendo-o no muro dos boxes, mas não conseguiu evitar a ultrapassagem do brasileiro.

Havia sinais da "velhice" de Michael Schumacher em termos de performance, mas é cedo dizer se ele não mais brigará por vitórias, já que a Mercedes GP promete um carro do jeito que ele gosta em 2011.

A Red Bull "deu asas" a Sebastian Vettel! Apesar do melhor ano de Mark Webber na Fórmula 1, da persistência de Lewis Hamilton, da lisura de Jenson Button, da determinação de Fernando Alonso, e da recusa de McLaren ou Ferrari de desistir do campeonato, é impossível discordar das palavras de Sir Jackie Stewart:

"O piloto correto venceu. Fez a pole, a estratégia correta, o melhor pit stop, e venceu com dez segundos de vantagem para o segundo colocado. Não se podia fazer muito mais do que isso. Mark Webber e Fernando Alonso tiveram suas oportunidades, mas Vettel dominou a prova de forma incontestável. Sem dúvida, o melhor piloto venceu."

2011 Subaru Impreza WRX STI


Danny MacAskill's Way Back Home


quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Uma imagem

Sex: breakfast of champions, Red Bull: breakfast of champions
Trinta e quatro anos depois de James Hunt conquistar seu título de pilotos na Fórmula 1, novamente, um jovem com cabelos loiros conquista o título máximo do automobilismo. Não se sabe exatamente o que Sebastian Vettel fez durante as últimas duas semanas da temporada de 2010, mas alguém precisa assumir que pilotos de Fórmula 1 modernos não se recolhem a hotéis, ficam bêbados e praticam orgias antes de corridas importantes.

De qualquer forma, o espírito do homem que transou com 33 comissárias de bordo ainda vive, mas, agora, à base de energéticos!

Volkswagen, People's Cars (Blind Man)



Richard Hammond drives Qt Bowler Wildcat


quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Golf GTI. O importado que tem o mais importante, a marca Volkswagen.


"Protetor solar" para o Corvette ZR1


O Corvette ZR1 tem algumas peças de fibra de carbono expostas. Isso é péssimo para um carro que precisa ter uma certa durabilidade. A luz do Sol, além de amarelar o carbono, também pode destruí-lo com o tempo.

A GM desenvolveu um clear coat capaz de bloquear os raios de Sol que são danosas ao carro, ou seja, criou um "protetor solar" para o ZR1. O produto custa 15 mil dólares por litro.

Sendo irônico de minha parte: é preciso passar protetor solar cada vez que andar com o carro sob a luz do Sol? Não pode sair entre dez da manhã e quatro da tarde?

Brincadeiras à parte, tudo isso não é para quem quer, é para quem pode...

Especialistas provam champanhe mais antigo do mundo, descoberto em embarcação naufragada


Elas levaram 200 anos para serem descobertas e quatro meses para serem degustadas. Nesta quarta-feira, especialistas do mundo inteiro tiveram o prazer de, enfim, abrir algumas das 70 garrafas de Clicquot (hoje chamada de Veuve Clicquot) descobertas em julho por um instrutor de mergulho nas profundezas geladas do mar das ilhas Aaland, entre a Finlândia e a Suécia. Produzidos entre 1782 e 1788, os champanhes são tidos como os mais antigos do mundo.

Mergulhadores encontraram as garrafas por acaso, em um navio naufragado no mar Báltico. Acredita-se que a bebida seja uma remessa de champanhe enviada pelo rei Luís XVI, da França, para a imperatriz russa, Catarina, a Grande, por volta de 1780.

- Este é um verdadeiro tesouro, como bebida, que temos a honra de provar e também do ponto de vista histórico - afirmou o mergulhador Christian Ekstrom.

O espumante foi enviado para a França para uma série de análises antes do consumo. A bebida foi preservada durante todo este tempo devido às condições no fundo do mar, de escuridão e frio.

O Globo

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Volkswagen Fusca. Graças à metade que não se vê, esta metade é cada vez mais vista.



A Fórmula 1 e o uso intenso de simuladores


Poucos esportes ficaram tão dependentes da tecnologia como a Fórmula 1. As equipes estão aumentando a cada dia o uso de softwares de simulação para extrair o máximo de performance dos carros reais.

Os simuladores em computadores estão ficando tão realistas que já são usados até para treinamento dos pilotos. Chris Partridge teve uma rara oportunidade de experimentar o simulador da equipe Williams F1.

Uma imagem

Chupeta de classe
Quem "chupa" e quem é "chupado"?

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Volkswagen Fusca. Quando uma ideia é boa, ela é definitiva.


Fusca. Bom hoje, bom amanhã, bom sempre.

BMW Concept C


A BMW Motorrad, divisão de motocicletas da marca bávara, criou um novo conceito, a scooter Concept C, que foi revelada no Salão da Motocicleta de Milão. O projeto está bem próximo de uma versão final, porque dará origem a um modelo de scooter maior do que o tradicional, para facilitar no transporte urbano de curtas distâncias.

A BMW Motorrad avalia a possibilidade de, além de uma versão com motor à combustão de dois cilindros, desenvolver uma variante elétrica para o modelo. A alemã deverá manter o acabamento cromado e de aço escovado, além dos dois freios de disco com sistema ABS e o câmbio CVT. O conceito ainda conta com duas câmeras que substituem os espelhos retrovisores.

O painel de instrumentos é digital, ao lado das luzes de led. As primeiras unidades do Concept C serão comercializadas na Europa entre o fim de 2011 e início de 2012.

BMW Concept C. The scooter of the future made by BMW Motorrad.

Munich. Recent years have seen radical changes in the world of individual mobility, specifically in the conurbations, and the number of registrations has rocketed for virtually all individual transport concepts. However, the space available to traffic has not grown to the same extent, so individual mobility must come to terms with the new circumstances.

Against this background, BMW Motorrad will be expanding its present motorcycle adventure world to include the big scooter. This new product segment will first give rise to two innovative premium scooters with internal combustion engines. The differing characteristics of this concept will appeal to a broad target group. In addition, some thought is being given to a future alternative drive with electric motor.

BMW Motorrad will be combining in these scooters the outstanding handling of the motorcycle with the particular agility and conceptual comfort of the scooter for the maximum experience of dynamic riding – a big scooter made by BMW Motorrad. There are plans to manufacture these future production vehicles at the BMW Motorrad plant in Berlin.

BMW Motorrad is continuing its strategy of strong and sustainable growth and so will be intensifying its traditional work in the enduro, touring, and sport touring fields. Following its successful entry to the super sport segment, BMW Motorrad will now be expanding its range yet again to include a highly promising business line.

This path leads straight to the big scooter segment. These high displacement vehicles with dynamic handling characteristics have gained considerable popularity all over the world. Moreover, they present an interesting alternative to returnees who up to now were undecided about motorcycles after long periods of abstinence.

BMW Concept C. New dimension in the field of big scooters.

New ideas and concepts on the subject of two-wheeled mobility are a decades old tradition at BMW Motorrad. Countless times, concept studies and drafts have been presented that reflect the power of innovation and future orientation of BMW Motorrad.

With its Concept C study, BMW Motorrad is yet again embarking on a new path and demonstrating a fascinating mobility option for the future. Here, C stands for "commuter". Particularly in view of the traffic development in urban areas, it presents the prospect of an innovative, sporty big scooter for the future premium segment.

As usual at BMW Motorrad, there is more to this study than just an attempt to present a big scooter for the highest demands. Rather, the designers and engineers of BMW Motorrad focused above all on the emotive component in addition to the technical function and quality – and the thrill from the very first moment on.

BMW Concept C. Emotion, dynamic handling, and function in the design.

When unveiling its Concept C at EICMA in Milan, BMW Motorrad will be directing the maximum possible emotion to its interpretation of this subject, which will bear witness to the primary claims of maximum, all round functionality.

Concept C as a vision of the big scooter is immediately recognisable as a member of the BMW Motorrad family. For instance, it also presents the so-called "split face", a visual tripartite of dynamic response extending from the front silhouette to the front wheel cover and beyond. In the style of highly sporty
BMW Motorrad models, such as the S 1000 RR, Concept C also features a twin-tipped front spoiler.

Unlike the L shaped side view presented up to now by big scooters, with their predominantly vertical body lines and colour scheme, Concept C has ventured on a new, much more sporty and dynamic path. The body lines sweeping up to the vehicle's rear underscore this big scooter's active riding character. The high rear section emphasises the lightness and agility of Concept C's powerful two-cylinder engine. Sportiness and dynamism are also underscored by the close cut, speeder-style windscreen.

The functional side of this scooter is expressed in stylish design elements, such as the aluminium look of the bash plates with the air intake adopted from the BMW GS.

The black chromium of the suspension and frame parts form a thrilling, dynamic relationship with the aluminium chromium, silver, and blue paintwork of the body parts. In addition, the black satin sections present a high-contrast emphasis on the vehicle's central area. This highly technical and high-quality elegance is borne further by finely worked details, such as the fuel tank cover reminiscent of aircraft and the short, sporty muffler. The visionary facet of Concept C is presented by the tyres with flanks and treads of blue.

BMW Concept C. Pioneering technology that fuels enthusiasm.

Concept C presents unusual and innovative solutions that offer a wide prospect of what in future can become reality in this segment.

For instance, Concept C features a highly complex monolever mechanism with hollowed-out shaft connected to a suspension strut visible from the outside. In this study, front-wheel control takes the form of an upside down fork.

The stable twin disc brake at the front features two radial brake callipers that also underscore the dynamic sportiness of Concept C. In addition, the single disc brake at the rear and the BMW Motorrad ABS provide the maximum possible safety during braking manoeuvres.

The dynamic and equally comfortable driving force behind Concept C is provided by a new, two-cylinder inline engine in conjunction with CVT (continuously variable transmission). Engine power, torque, and therefore performance will be moving towards the top of the segment.

Light is cast on a more distant point in the future by the LED headlamp integrated into the face panelling. This future vision is also continued by the deliberate absence of conventional rear view mirrors, which will be replaced in Concept C with two video cameras in the rear. These record the area behind the vehicle and transfer the images to two LCD monitors in the cockpit within view of the rider. The road speed, engine speed, and other data appear on a third LCD display integrated at the centre of the cockpit.

BMW Concept C. Perfected rider equipment and stowage space concept.

Concept C also testifies to thoughts and ideas extending beyond the actual vehicle. In line with the BMW Motorrad philosophy, a big scooter realised in the Concept C style will also come with a range of adequate rider equipment. In the best BMW Motorrad tradition, the development of a big scooter will also include a suitable stowage space concept.

Bicicleta movida a jato!


A mountain bike é movida por uma turbina em miniatura, produzida por uma empresa holandesa chamada AMT Netherlands. Elas são construídas para aeronaves radiocontroladas, desenvolvimento de aviões experimentais e estudos sonoros.

A turbina usa como combustível uma mistura de JP-4 e Jet A1 com 4,5% de óleo aeroshell 500. O motor, que pesa 3 Kg, gera 40 kgfm de empuxo a 98.000 RPM.

sábado, 20 de novembro de 2010

Red Bull, tão corporativista quanto a Ferrari


Apesar de não realizar o chamado "jogo de equipe", cometido de forma tão evidente pela Ferrari no GP da Alemanha, o ano de 2010 nos mostrou que, meio que de forma "subliminar", a equipe Red Bull Racing é tão corporativista quanto o time de Maranello.

A Red Bull, na última década, investiu forte em publicidade e patrocínios a esportes nos quais prevalecem a jovialidade, o ato de viver intensamente cada pequeno momento, as manobras e lances realizados no limite entre a perfeição e o acidente, e os praticantes, que, de vez em quando, precisam de uma energia extra, que pode ser obtida através dos alimentos energéticos, são, em sua enorme maioria, jovens. Pode-se citar como exemplos o skate, para-quedismo, BMX e o mountain bike.

Na automobilismo, não foi diferente. Através de seu próprio programa de formação de pilotos, cria equipes nas mais diversas categorias de base, como a Fórmula 3 e a Fórmula BMW, e vai ajudando seus pupilos a escalarem mais facilmente as escadas rumo à Fórmula 1. Na categoria máxima do automobilismo, em 2004, comprou o espólio da Jaguar, formando a Red Bull Racing, e em 2005, a Minardi, transformando-a na Scuderia Toro Rosso.

E é justamente por essa política de criar pilotos para chegarem, ainda jovens, à Fórmula 1, que surgiram pilotos como Sébastien Buemi, Jaime Alguersuari, Scott Speed, e o mais recente campeão, Sebastian Vettel.

O mantenimento de Mark Webber na Red Bull Racing para os campeonatos de 2009 e 2010 foi feito essencialmente para que o companheiro de equipe de Sebastian Vettel atuasse apenas como mero coadjuvante, ajudando o jovem pupilo da marca de energéticos de Dietrich Mateschitz a conquistar o título de pilotos da Fórmula 1 o mais rápido possível, para ajudar a Red Bull a consolidar ainda mais a sua marca no mercado publicitário. Medida semelhante é frequentemente tomada pela Ferrari, por exemplo.

Acontece que, nesta última temporada, a Fórmula 1 viu em Mark Webber um piloto extremamente dedicado, visto que não tinha contrato para 2011, e se dispôs a usar de todas as suas forças para tentar conquistar o seu primeiro título de pilotos, aos 34 anos, aproveitando esta oportunidade como se fosse a sua última na carreira. Com isso, aliado ao excelente, mas problemático, RB6, tornou-se o "patinho feio" da Red Bull Racing, sendo um adversário à altura de Sebastian Vettel.

A equipe, aproveitando a ótima fase de seus pilotos, adotou uma política de não fazer qualquer espécie de "jogo de equipe", deixando que seus pilotos duelem entre si pelas primeiras posições na corrida, o que ocasionou alguns incidentes, como o acidente entre eles no GP da Turquia.

Outro fato que contribui para que a Red Bull Racing se mostre tão corporativista quanto as outras é o episódio da asa dianteira, que havia sofrido alterações aerodinâmicas para o Grande Prêmio da Inglaterra. Sebastian Vettel quebrou a sua no treino de classificação. Como não havia uma asa reserva igual, a equipe retirou a do carro Mark Webber e colocou no carro do alemão. O australiano se viu obrigado a utilizar o carro com a asa dianteira antiga, ficando desatualizado em relação ao carro do seu companheiro de equipe. Mesmo assim, Webber venceu a prova, acendendo, pelo rádio, o estopim de uma discussão sobre privilégios cada dia mais óbvios para Vettel.

Acontece que, no final da temporada de 2010, a Red Bull não teve uma chance de comprovar que sempre favoreceu Sebastian Vettel, uma vez que estava atrás de Mark Webber na tabela de pontuação, ainda que por uma diferença de poucos pontos, e o australiano estava também a poucos pontos de Fernando Alonso, o lider do campeonato no GP do Brasil.

Pelo contrário, fez uma jogada de sorte, digna do pôquer, deixando ambos os pilotos com igualdade de condições no último GP, sem favorecimento a quem está a frente na tabela, para ter um deles campeão. Entretanto, essa jogada de sorte envolveria uma péssima atuação de Fernando Alonso e Mark Webber, além de uma estupenda performance de Sebastian Vettel, pulando da terceira para o topo da classificação. Esta conjunção de fatores quase impossível acabou se concretizando.

Por que a Red Bull Racing encarou essa arriscada hipótese? Simples: para ter Sebastian Vettel como campeão. É como se tudo já estivesse pronto para que o alemão fosse o privilegiado pela equipe, mas o ano de 2010 não foi tão propício para que os esforços se direcionassem para ele.

Se Sebastian Vettel já estivesse na liderança do campeonato, faltando umas quatro ou cinco provas para o encerramento, com quase certeza, seria o piloto favorecido pela Red Bull Racing para consolidar as chances de conquistar o mundial de pilotos até o final do campeonato.

Afinal de contas, é o alemão é que representa essa ideia de publicidade da marca de energéticos, uma pessoa jovem, que vive a vida intensamente, e que porventura precisa de uma energia extra, que pode ser obtida através da taurina, por exemplo.

Só uma sequência de acontecimentos dentro da Red Bull Racing e nos campeonatos de Fórmula 1 dos próximos anos precisa acontecer para que o ambiente seja propício para que a equipe tenha a chance de se mostrar tão corporativista quanto Ferrari e McLaren foram ultimamente, cometendo as mesmas atitudes típicas das outras.

2011 Porsche 911 GT3 Cup race car


A Porsche britânica anunciou upgrades e preços do seu 911 GT3 Cup Car, que se tornou o carro de competição mais vendido, com mais de 1.400 unidades comercializadas.

O carro ainda é baseado no Porsche GT3 RS de rua, assim como o GT3 Cup de 2010 também foi construído em cima dessa plataforma, e ainda possui o mesmo motor 3.8 flat com seis cilindros, mas agora ele produz 450 CV a 8.500 RPM, trinta a mais que a versão anterior, graças ao acréscimo de 0,2 litros na capacidade cúbica do propulsor.

O monocoque é de aço galvanizado super leve, com algumas partes em fibra de carbono, atingindo 1.200 Kg de peso. A transmissão é sequencial de seis marchas, a suspensão possui amortecedores a gás da ZF Sachs e freios Brembo com seis pistões para as rodas dianteiras BBS 9.5J x 18 ET 37 e quatro para as rodas traseiras BBS 12J x 18 ET 30, e todas as rodas possuem fixação central. OS pneus utilizados no carro são Michelin, 24/64-18 na frente e 27/68-18 atrás.

O Porsche 911 GT3 Cup Car 2011 correrá no Porsche Carrera Cup Great Britain e no Porsche Mobil1 Supercup. O preço do veículo é de 94.600 libras esterlinas (mais taxas), e as entregas começam no início de 2011.

Honda City. Para você, que faz aquele pouquinho a mais para realizar um sonho.


sexta-feira, 19 de novembro de 2010

O mundo mudou. O Fiat Idea também. Ficou mais moderno e muito mais esportivo.



Fiat compra ações da Ferrari pertencentes à Mubadala


A Fiat comprou mais 5% da sua participação nas ações da Ferrari que havia vendido cinco anos atrás para a Mubadala, companhia de investimentos de Abu Dhabi. Acredita-se que a medida coincide com os recentes rumores de que a Fiat está considerando, para mais tarde, vender uma parte significante de suas ações que possui na marca de Maranello e na equipe de Fórmula 1.

A compra das ações que eram de propriedade da Mubadala custou 122 milhões de euros, de acordo com o jornal árabe The National, e aumenta a participação da Fiat na Ferrari para 90%. Acredita-se que a Fiat esteja se preparando para vender ações o suficiente para baixar sua participação para 51%.

"Eu posso confirmar que a Fiat tem exercido a opção pela compra das ações da Ferrari obtidas pela Mubadala. Não temos mais comentários a fazer", disse um porta-voz da Fiat.

A informação foi passada por analistas que estiveram reunidos com o CEO do grupo Fiat, Sergio Marchionne, no último dia 12. Segundo o site, o propósito da venda seria um investimento para formação do grupo Chrysler LLC, adquirido recentemente pela montadora italiana.

Além de parte da Ferrari, a montadora também pretende vender ações da fabricante de peças Magneti Marelli. Considerando apenas a parte da Ferrari, o valor arrecadado seria de aproximadamente 3,3 bilhões de dólares. Além disso, a montadora também decidiu não vender a Alfa Romeo, que será importante durante os próximos cinco anos, principalmente para se firmar no mercado norte-americano, peça-chave para o crescimento global do Grupo Fiat.

Top Gear constrói carro elétrico



Jeremy Clarkson, Richard Hammond e James May tentam salvar o planeta construindo seu próprio carro "movido à pilha". O veículo, que possui o chassi de um TVR, e baterias extraídas de carros de entrega de leite, foi batizado "Top Gear Hammerhead Eagle i-Thrust".

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Citroën C4 2011. Tecnologia de ponta, emoção pura.


Airbag para ciclistas Hövding


A ideia de desenvolver airbags para proteger condutores de bicicletas não é nova. Já existem projetos de bolsas de ar instaladas entre o capô e o para-brisa do automóvel, para, em caso de atropelamento, proteger o ciclista ou pedestre de impactos na cabeça.

Entretanto, a empresa sueca Hövding foi além, e vai lançar um dispositivo que, ao contrário das ideias anteriores, não fica no carro, mas no ciclista, que veste uma espécie de colete, cheio de sensores, que detectam qualquer impacto mais forte, e acionam o enchimento da bolsa de proteção para a cabeça.

o produto custa na Europa pelo equivalente a 319 euros. Mas é claro que a empresa não tem a intenção de substituir os capacetes convencionais, assim como os airbags dos carros não substituem os cintos de segurança. Trata-se apenas de um item suplementar, que ajuda a minimizar as consequências de um eventual acidente.

Jack PC: CPU de tomada!


O Jack PC, da Chip PC Technologies, é um dos mais compactos desktops já produzidos, com dimensões de 6,96 x 11,4 x 3,95 cm e pesa apenas 350 gramas. Todo o conteúdo do computador fica dentro de um soquete, que pode ser encaixado na parede, como um plug de tomada normal, ou em um orifício de uma mesa, criado especialmente para encaixar o PC.

O Jack PC possui um processador de 1,2 GHz, tem suporte para dois monitores simultâneos, rede wireless e capacidade de armazenamento on board de até 128 Mb, e quatro entradas USB, que podem ser usadas como entradas de mouse e teclado.

A energia elétrica necessária para o Jack PC funcionar é proveniente do cabo Ethernet. O aparelho possui um consumo baixo, de 5 Watts no modo de operação normal, ou 0,35 Watts em stand by. A página do produto pode ser acessada em www.chippc.com/thin-clients/jack-pc.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Nissan Altima. Innovation that lasts. Innovation for all.



1896 Hildebrand & Wolfmüller


O primeiro veículo de duas rodas chamado de "motocicleta", tinha dois motores a vapor, que geravam 2,5 CV a 240 RPM, potência que fazia a moto atingir 45 Km/h.

Como seriam os nomes dos filmes se fossem rodados no Rio Grande do Sul

Uma Linda Mulher → Uma Chinoca Buenacha
O Poderoso Chefão → O Bagual Cuiudo
O Exorcista → Vem Capeta, Que te Arreganho a Facão!
Os Sete Samurais → Sete Gaudérios cas Vista Estreita
Godzila → Que Baita Lagarto!
Os Brutos Também Amam → Rebenqueados de Amor
Sansão e Dalila → O Crinudo e a China
Perfume de Mulher → Asa de Chinoca
Corra Que A Polícia Vem Aí → Vamo Saí Fedendo Que vem Vindo os Brigadiano!
E O Vento Levou → Se foi com o Minuano!
Guerra Nas Estrelas → Peleia no Firmamento
O Corcunda de Notre Dame → O Tortinho Estropiado
O Fim Dos Dias → O Bagualão contra o Demo
A Pantera Cor-de-rosa → Gato-do-Mato Fresco
O Náufrago → Mais Perdido que Cusco em Tiroteio
Um Cidadão Acima de Qualquer Suspeita → Boi Manso é Que Arromba a Porteira
Os Filhos do Silêncio → Em Boca Fechada não Entra Mosca
7 Anos No Tibet → Sete Anos na Bailanta do Tio Beto
Querida, Encolhi As Crianças → China Véia! Encolhi as Cria
Titaníc → O Caícão Furado
Forest Gump → O Contador de Causo
A múmia → Um Xirú Enfaixado
O senhor dos anéis → O Piá Dono da Argola
Despedida de solteiro → Bochincho lá nas Tia
Máquina mortífera → O Caminhão do Ambrósio Não Tem Freio!
Gritos do Silêncio → Os Bérro do Mudinho

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Tiff Needell drives Pagani Zonda R at Anglesey Circuit


Carro voador I-Tec Maverick é certificado


O I-Tec Maverick é um buggy criado por Steve Saint, que é dono da I-Tec, uma redução em inglês para "centro de educação e tecnologia para povos indígenas". Missionário cristão, Saint fundou a empresa para resolver os problemas tecnológicos para as tribos isoladas da América Central e do Sul, e passou seis anos trabalhando no Maverick.

O veículo é movido por um motor Subaru de 2,4 litros e 170 CV, e conseguiu sua primeira certificação da agência de aviação civil dos EUA. O Maverick pode atingir 100 km/h em menos de quatro segundos. Quando a asa de tecido é armada em um mastro de 6,7 metros, ele levanta voo.

Depois de anos em testes, a FAA certificou em setembro o Maverick como um "para-quedas motorizado". Isso é diferente do Terrafugia e similares, que são classificados como aviões apropriados para circular em estradas.

Saint afirma que, como o Maverick precisa de apenas 100 metros para decolar, ele pode ajudar o trabalho dos pilotos missionários e as tribos da floresta a serem auto-suficientes sem mudar o modo de vida. O preço estimado para construção independente é de 80.000 dólares, mas Steve espera vender algumas unidades para pilotos amadores.

Bernie Ecclestone furioso com Michael Schumacher


Bernie Ecclestone ficou furioso com o fato de Michael Schumacher não comparecer na reunião com os outros pilotos e chefes de equipe, na sexta-feira, no Yas Marina Circuit, em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes, para a fotografia de final de ano da Fórmula 1.

De acordo com a emissora brasileira Globo, assim como Michael Schumacher, Bruno Senna e Timo Glock também não apareceram. O brasileiro da Hispania Racing F1 Team se desculpou, dizendo que estava falando com os comissários da prova, explicando o ocorrido nos treinos livres, quando atrapalhou uma volta rápida de Lewis Hamilton. Já o alemão da Virgin Racing disse que estava realizando um tratamento médico em um de seus pés, e que estava do outro lado do paddock, e não conseguiu chegar a tempo para o encontro.

De acordo com o periódico Blick, como mostra a fotografia acima, o diretor da equipe Mercedes GP, Ross Brawn, tentou chamar Michael pelo telefone celular, mas foi em vão. Bernie Ecclestone, após a ligação, perguntou a Ross: "ele foi embora da Fórmula 1 novamente?", ironizou.

domingo, 14 de novembro de 2010

Nissan Maxima. The four-door sports car. Innovation for daddy. Innovation for all.



2011 Bugatti Veyron Super Sport


a-Ha: pop norueguês que influenciou algumas bandas de metal

O a-Ha, trio norueguês formado por Morten Harket (vocais), Paul Waaktaar Savoy (guitarra) e Magne Furuholmen (teclados), influenciou algumas importantes bandas de metal e abriu as portas para as bandas da Noruega, país onde a maior exportação cultural é o estilo Black Metal.

O guitarrista Silenoz, do Dimmu Borgir, afirmou, em uma entrevista para a revista Roadie Crew, que gosta de algumas coisas antigas do a-Ha, e reconhece o talento dos músicos, especialmente Morten Harket, que para ele é um vocalista fenomenal. "Além disso, eles abriram várias portas para bandas norueguesas", afirma Silenoz.

Andre Matos, um dos maiores nomes do metal brasileiro, também é um grande apreciador do a-Ha. Além de considerar o Morten um ótimo vocalista, também considera todos os integrantes grandes compositores.

Para comprovar a influência do a-Ha no metal, serão citado alguns exemplos, a começar pela banda de metal extremo norueguesa Susperia, formada pelo Tjodalv, ex- baterista do Dimmu Borgir, que lançou, em 2005, o álbum "Devil May Care", que contém um excelente cover da música "The Sun Always Shines On TV".

Outra que gravou este clássico do a-Ha foi a banda alemã de Gothic/Death Metal Atrocity. A música faz parte do "Werk 80 II", álbum de covers de hits dos anos 80.

O Vision Divine, banda italiana de power metal, que conta com o vocalista Fabio Lione, do Rhapsody OF Fire, gravou uma versão da música "Take On Me", um dos maiores hits de todos os tempos. Outro grupo italiano de metal que executou este grande clássico do a-Ha foi o Sadist. A música encontra-se na versão japonesa do disco Crust, lançado em 1997.

No álbum "Rethroned", do Northern Kings, banda finlandesa, composta por Jarkko Ahola (Teräsbetoni), Marco Hietala (Tarot, Nightwish), Tony Kakko (Sonata Arctica), Juha-Pekka Leppäluoto (Charon), encontra-se também o cover de "Take On Me".

Aqui no Brasil, o Hydria, banda carioca de metal sinfônico, costuma tocar em seus shows a música "Stay On These Roads", e esta canção é muito bem aceita pelo público.

sábado, 13 de novembro de 2010

Honda Turuna 125. Mude com ela.



Lance Armstrong sairá das competições após o Tour Down Under

Lance Armstrong, heptacampeão do Tour de France, estará no Tour Down Under, na Australia, em janeiro de 2011, que será sua última competição profissional fora dos Estados Unidos. O ciclista de 39 anos correrá no UCI ProTour, de 16 a 23 de janeiro de 2011, pela terceira e última vez, de acordo com um relato de Mike Turtur, diretor da prova.

"Estou ansioso para competir no Tour Down Under, minha última prova como profissional fora dos Estados Unidos. Será a terceira vez, e estou certo que de aproveitarei a oportunidade tanto quanto nas duas outras vezes que disputei esta corrida," disse Armstrong.

Lance, que venceu um câncer num dos testículos em 1996, terminou o Tour de France de 2010 em vigésimo-terceiro, e não é esperado que o ciclista americano volte a disputar outra edição da prova mais famosa do mundo das bicicletas.

BBC Tribute to Red Bull Racing, 2010 Constructors' Champions


sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Honda XL 250R



Campagnolo mostra novo câmbio eletrônico


A Campagnolo mostrou, na apresentação da edição 2011 do Giro d'Italia, seu novo sistema eletrônico de troca de marchas, instalada em uma bicicleta Pinarello. A equipe Movistar usará um modelo semelhante ao exibido no evento, e será a única que usará o câmbio eletrônico da Campagnolo na competição, antes do sistema ser colocado à venda para o público.

A Shimano criou o Di2 dois anos atrás, e é um sistema semelhante ao da Campagnolo, entretanto, há diferenças sutis, a começar na interface com o ciclista: ao invés de botões, há pequenas borboletas que são colocadas na base das alavancas de freio. Além disso, o sistema de transmissão da Campagnolo possui 11 marchas, contra 10 do da Shimano.

"A Shimano foi a primeira a produzir um câmbio eletrônico, mas trabalhamos duro no nosso próprio sistema, que possui várias e pequenas diferenças em relação ao da marca japonesa, e a bicicleta que foi mostrada no evento é praticamente igual à que será usada pela equipe Movistar", disse Valentino Campagnolo.


Chip devolve visão a cego


Cientistas da Alemanha implantaram um chip atrás de um das retinas do finlandês Mikka Terho e ele afirma ter voltado a enxergar. Terho, que sofre de uma rara doença hereditária chamada retinite pigmentosa, começou a ficar cego durante a sua adolescência.

O chip é um apenas um protótipo que fornece avisos visuais, mas os pesquisadores estão tão entusiasmados com os resultados que já pensam em realizar testes no Reino Unido. O comitê de ética britânico aprovou testes com 12 pessoas no país, que serão realizados em Oxford e em Londres.

Essa não é a primeira vez que chips são usados para recuperar a visão. Em outros experimentos, uma câmera montada em óculos envia informações para chips implantados na retina. Porém, o experimento com o chip alemão promete usar os olhos dos próprios cegos para fazê-los enxergar novamente.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Yamaha RX 180. O seu jeito de ir.



UCI pune Johan Bruyneel por publicidade irregular no Tour de France


A União do Ciclismo Internacional (International Cycling Union) baniu por dois meses, de 1º de fevereiro a 31 de março de 2011, o diretor da equipe RadioShack, o belga Johan Bruyneel, além de pagar uma multa dez mil francos suiços, o equivalente a 7.300 euros, por trocar as camisas dele próprio e de Lance Armstrong na última etapa do Tour de France.

As sanções se referem ao infringimento do artigo 12.1.004 do regulamento da UCI, em razão da RadioShack percorrer a etapa de Champs Elysees, a última da carreira de Lance Armstrong, usando camisas pretas estampadas com o número "28". Lance venceu sete vezes o Tour de France e lutou contra um câncer em 1998. Depois disso, fundou a fundação Livestrong, que estima que 28 milhões de pessoas ao redor do mundo possuam algum tipo de câncer.

Entretanto, alguns furiosos comissários daquela prova obrigaram a RadioShack a trocar as camisas pelas suas tradicionais vermelho e cinza. Armstrong persistiu com a ideia, mas somente usaram novamente as camisas pretas ao subir ao pódio da etapa e receber o prêmio pela equipe ter dominado a classificação por equipes.

"No final das contas, penso que o fato de ter que trocar as camisas antes da prova nos deu alguma publicidade", disse Lance à televisão francesa.

Numa declaração, a UCI disse: "Bruyneel publicamente ofendeu os comissários com suas declarações, o que nos obrigou a aplicar punições".

Em julho, a UCI disse que, em virtude das boas intenções da RadioShack, quaisquer multas aplicadas neste caso seriam doadas à Swiss League Against Cancer.

Briga

O Ciclismo Internacional baniu, também por dois meses, o ciclista espanhol Carlos Barredo, por se envolver em luta corporal com o português Rui Costa, depois do final da sexta etapa do Tour de France, em Gueugnon.

A UCI declarou: "Carlos Barredo infringiu o artigo 12.1.005 do regulamento, por danificar a imagem, reputação e interesses do ciclismo e da UCI, durante a edição 2010 do Tour de France".