segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

domingo, 30 de janeiro de 2011

2011 Rolex 24 at Daytona Highlights

Intro




Start




Onboards




Lots of dirt on track




Drama for the Flying Lizzard




Race Onboards at night




First Hours Highlights




Overnight Highlights




Juan Pablo Montoya Onboard




Lead Battle Juan Pablo Montoya vs. Joey Hand




Flying Lizard Retirement




Finish! Scott Pruett (Chip Ganassi Racing with Felix Sabates BMW) wins!


Ford Escort XR3 Laser. Esporte e Performance em Edição Limitada.

Ford Escort XR3 Laser. Esporte e Performance em Edição Limitada.

BMW 1-Series GTR by Senkyr Motorsport


Este BMW 1 series Coupé GTR foi criado pela equipe de competições tcheca Senkyr Motorsport é baseado no E82, que originou o 1-Series M Coupé. O carro é bastante parecido com o E92 M3 GTR da mesma equipe, por causa do body kit criado especificamente para o BMW 1 series Coupé GTR.

O BMW 1 series Coupé GTR tem um motor seis cilindros 3.0 que, graças à sobrealimentação por dois turbos e um intercooler desenvolvido pela própria Senkyr, produz 402 CV de potência. A transmissão é Holinger RDS6, sequencial, com seis velocidades.

A suspensão do BMW 1 series Coupé GTR é da marca KW, com amortecedores ajustáveis em três estágios. As rodas são da BBS Motorsport, 10x18 na frente e 12x18 na traseira, com pneus dianteiros 270/650/R18 e traseiros 300/650/R18.

Wii Skii Tragedii! Even his Mii wants nothing to do with him.



Nintendo alerta! Quando utilizar o Wii, bote o cachorro para fora da casa.

sábado, 29 de janeiro de 2011

Volkswagen Beetle: Snow Plow




Nice problem: when the driver of a snowplow drives to work, what kind of car does he need? Indeed, a Volkswagen Beetle. What else!

Marketing de conteúdo: a sua principal estratégia

Não é de hoje que a principal estratégia de marketing digital é o conteúdo. Se o mercado tem como premissa conceitos como "relevância", "engajamento", "relacionamento" e "presença digital", nenhuma delas será um sucesso sem conteúdo. Ou você acredita que uma pessoa vá seguir um Twitter parado ou uma comunidade no Facebook entregue "às moscas"?

O conceito de marketing de conteúdo pode ser visto de várias formas. Um publieditorial pode ser considerado marketing de conteúdo. Um programa de TV de uma marca pode entrar nesse conceito, afinal, está gerando conteúdo relevante da marca e mostrando ao consumidor uma forma diferente de propaganda. Publieditorial, por exemplo, é muito usado em revistas como "Informe Publicitário", que é uma propaganda com "cara" de informativo, de matéria jornalística.

Uma tendência que tem aparecido no Brasil é a parceria de marcas com canais de TV fazendo programas onde as marcas são inseridas no contexto. Não se trata daquele merchandising usado em programas de fofoca ou em cenas de novela, como quando a personagem resolve sacar dinheiro e vai a uma agência do banco X, mas de um programa inteiro sobre determinado assunto e a marca está ali no contexto da história: a propaganda não é incômoda e mostra o produto sendo usado, apresenta a experiência com o produto/marca.

Recentemente, um caso foi bem comentado no Brasil: a parceria da Land Rover com o canal de TV a cabo Discovery, que tem diversos programas sobre viagens ao redor do planeta. Com o tema "a gente vive de contar histórias", o programa rodou algumas cidades brasileiras a bordo de um carro da marca. Não tinha "descaradamente" uma propaganda do carro durante o programa, mas, naquela hora de duração, o carro aparecia diversas vezes, mostrando, inclusive, o seu conceito de carro aventureiro. Se no meio do programa havia inserções da marca, isso não vem ao caso, afinal de contas, a marca já estava exposta, e isso seria dinheiro jogado fora em potencial.

Outro recente caso é da construtora Camargo Correia, também com o canal Discovery. Apoiado em programas como "Grandes Construções", a marca quer estar presente nos programas do Brasil, mostrando que ela ajuda no desenvolvimento do país com suas construções que trazem progresso e empregos.

Marketing de conteúdo pode ser uma nova forma das marcas anunciarem. O comercial de trinta segundos não é mais tão efetivo como há alguns anos, as pessoas estão cada vez mais em diversas mídias e querendo consumir conteúdo.

iMasters

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

The new Skoda Fabia vRS. Made of Meaner Stuff.


Pagani Huayra

Com design inspirado nos aviões e dirigido pelo ítalo-argentino Horácio Pagani, o Pagani Huayra, substituto do Zonda, faz sua estreia mundial no Salão de Genebra, onde poderá ser visto de perto pela primeira vez em público. A marca espera fazer sucesso na mostra, em grande parte graças ao estilo visual mais agressivo, com tomada de ar baixa e portas com abertura "asa de gaivota".

Todos os traços valorizam a aerodinâmica do projeto, incluindo o extenso uso de fibra de carbono, as diversas aberturas para resfriamento do sistema de freios e motorização e o sistema de quatro flaps ajustáveis, que operam individualmente, aumentando o downforce, dependendo da situação.

O veículo possui um motor AMG V12 6.0, sobrealimentado com dois turbos, capaz de produzir mais de 700 CV de potência e 75,4 kgfm de torque. Para utilizar toda esta força com eficiência, há uma caixa de câmbio sequencial de dupla embreagem XTRAC com sete marchas, montada transversalmente atrás do motor.
Totalmente homologado para circular nas ruas, o Huayra, que pesa 1.398 Kg, é capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em 3,3 segundos, e sua velocidade máxima, segundo números ainda preliminares de testes, é de 370 km/h.

O interior estende o clima aeronáutico e utiliza muito couro, alumínio e fibra de carbono. O sistema multimídia não tem nada de espartano, como em outros esportivos, e conta com tela sensível ao toque e controle de diversas funções de entretenimento e comunicação. Tudo é acentuado pelo tom azulado do painel de instrumentos e pela iluminação ambiente.

Huayra significa "vento" no dialeto quíchua, idioma criado pelos antigos incas, e que ainda é praticado por pequenos povoados na América do Sul. Zonda, por sua vez, é o nome da forte corrente de ar que cruza a Cordilheira dos Andes, conhecida por causar fortes turbulências nos aviões que voam pela região. Estima-se que o Pagani Huayra possa custar um milhão de libras esterlinas.
PAGANI Huayra

Ancient legends tell of Aymara Huayra Tata, god of wind, which controls the breezes, the winds and hurricanes that affect the mountains, ravines and slopes of the Andean cordillera. It is said that Tata Huayra living in the hills and valleys left them just to show his strength to his wife, Pachamama, the goddess of Mother Earth.

With its power, the god of the wind Huayra Tata may raise the waters of Lake Titicaca and turn them into rain that pours on the fertile Pachamama. Tata Huayra When resting, the waters are calm and the rivers. But the calm before the storm is about to be discontinued ...

DESIGN

Inspired eternity element air. Delicate and ethereal, yet capable of eroding the most resistant materials, giving them the forms that we recognize in nature. Elegant, muscular, Huayra combines past, present and future in the timeless art automotive interpretation. The style of the car has been perfected over five years to give each line a clear beginning and an equally clear view.

Hundreds of drawings, scale models and eight two-size, that even keeping the basic design concept, we have gradually refined the shape and substance. This was achieved through meticulous attention to detail that has resulted in a continuous and exhausting search for proportion and elegance.

The bi-xenon headlights, a prestigious heritage of the Zonda R and LED daytime running lights are harmoniously integrated into the elliptical shape of the mouth front. The integrated rear bumper diffuser dominated by an elliptical frame that surrounds and enhances the four tailpipes, a symbol of continuity and a characteristic feature of the mark Pagani.

SPINE

The all-new monocoque central Huayra is built in carbon-titanium, with its gull-wing doors that include a good portion of the roof. The research focused on the application of advanced composite materials and technologies first tested on the Zonda R, to achieve the highest levels of rigidity combined with maximum lightness.

The tank is positioned in the most protected of the camper behind the pilot, reinforced by a safety cell made of different composite materials and ballistics. The semi-chrome-moly frames provide a stiffness to weight ratio allowing the suspension to work exceptionally well and to incorporate an advanced absorption of energy, ready to protect occupants in case of impact.

The constant quest for weight reduction has led to an ingenious combination of aesthetic, structural and otherwise. One example comes from the pipes of the cooling and air conditioning: the ambitious choice of integrating them into the monocoque structure has rendered superfluous the inclusion of additional components. The result of the reduction program is summed up in a vehicle weight of 1350 kg which makes lighter Huayra the supercar segment.

HEART

Mercedes-AMG provides the heart of Huayra. The 12-cylinder biturbo engine with 60 ° V? with 5980 cm3 has been developed to meet not only the technical application and the strictest quality aspects, but also to give the car its dual character. The calm and harmony that are perceived to drive one of GT's finest today are interrupted when the pilot called Huayra to unleash its power over 700 hp and a torque of over 1000 Nm

The turbines are designed to offer an immediate response to the minimum stress of the butterfly, giving the driver complete control over the power at any speed and preventing unwanted delays in disbursement. The two radiators on the sides of the mouth anterior ensure the best cooling efficiency of the intercooler located above the cylinder head. This cooling system at low temperature is designed to operate in adverse conditions of Death Valley with temperatures above 50 ° C.

The dry sump lubrication also feeds the engine when the car is subject to extreme lateral accelerations. Also regulates the oil flow so that only the required quantity of lubricant is pumped into the engine from the external tank, reducing the friction caused by an excessive volume of fluid inside the base. The dry-sump oil pan makes obsolete the conventional one, allowing you to mount the engine and have a lower center of gravity away from less land.

A heat exchanger oil / water reduces engine warm during cold start and keeps the refrigerant and lubricant temperatures stable. Extensive weight reduction programs have resulted in simple yet ingenious solutions. In order to limit as much as possible to pipe connections and the expansion tank is mounted directly on the engine.

Bulkheads intercooler act as reservoirs of the expansion of low-temperature circuit and the engine coolant circuit. The M158 engine is certified to the strictest environmental regulations and EU5 LEV2 and, despite a significant increase in power compared to engine developed by Mercedes-AMG in the past for Pagani, fuel consumption and thus carbon monoxide emissions have been killed so that Huayra holds the record among female athletes to 12 cylinders, with values close to cars on the market of displacements and lower powers.

The large 85-liter tank ensures a longer range travel. The power system in two stages with no return has two power pumps that send fuel to the engine by activating the second pump when needed. To further increase the demand for fuel efficiency is controlled by a microprocessor on each pump, releasing the required amount from the engine control at any particular time.

This reduces the energy needed to operate the fuel pump and eliminates the waste of excessive fuel transport and heating ducts of gasoline. As a tribute to the decade-old tradition of Mercedes-AMG to build engines in the world for sports cars, the M158 boasts the historic AMG emblem on the intake manifold along with the name of the technician cha has hand-assembled at the headquarters Mercedes-AMG Affalterbach to Germany.

The titanium exhaust system has been engineered by MHG-Fahrzeugtechnik and is a direct application of technologies racing on a high-performance road car. The hydroformed junctions have been developed to reduce the pressure and ensure a free flow of exhaust gases. Titanium offers a limited role in the silencer while offering reliability Iconel exhaust parts most exposed to high temperatures.

The full exhaust system weighs less than 10 kg and research undertaken to ensure maximum pleasure sound translates into a harmonious and deep roar that portends a wave of power ready to erupt with a roar, accompanied by the hiss generated by aircraft intakes' air.

FEET

The power and enormous torque is transferred to the wheels via a seven-speed sequential gearbox cross and a dual-disc clutch. The adoption of a dual-clutch in oil bath was discarded because it would lead to an increase in weight over 70 kg, negating the advantage of a changed little faster. The entire transmission weighs 96 kg.

Its small size made it possible to reduce the rear overhang, providing a more neutral behavior in extreme conditions and improving safety in the event of a rear crash. Xtrac, already supplies the changing of the Zonda R, was therefore the natural choice for the development of a road exchange high performance. For Huayra was made a change that provides a level of comfort combined with a high rate of change comparable to that of a car on the track.

The suspension geometry was designed to further enhance the behavior accurately and without hesitation he made famous the Zonda, the entire Huayra longer. The independent suspension with double arm, forged Avional were tested at length on the Zonda R. Their league, which offers a weight reduction of 30% compared to the common aluminum, has led to some of the lightest uprights.

These were connected to the cooling ducts, which prevent overheating of the bearings connected to the hubs, thus prolonging life. Öhlins adjustable shock absorbers have been linked to groups with special wheel pivot, arranged in the corners that have optimized the dynamic characteristics of the car.

"Power is nothing without control" following this famous slogan, Pirelli engineers have been faced with the demanding task of combining a perfect grip, and an exciting driving experience less rolling resistance to reduce carbon monoxide emissions . It is in Pirelli P Zero tires, developed, built inside "MIRS" Modular Integrated Robotized System, the department dedicated to producing high-performance tires and designed to ensure complete control of the pilot.

Designed to fit Huayra, transcend the state of the art, suitable as never before at speeds above 370 km / h with lateral forces than 1.5 G.

SKIN

Think Huayra as a wing, able to actively change its angle of attack by changing the height of the front from the ground and operating independently of the four flaps placed at its ends. The result is that the machine constantly change its shape, from time to time to ensure the minimum friction coefficient and the maximum downforce.

A commanding this unit is a dramatic metamorphosis, which receives and processes information about speed, yaw rate, lateral acceleration, steering angle and throttle position, and act so as to obtain a car from neutral behavior in all conditions, the correct aerodynamic roll and braking.

Thanks to a thorough search it was possible to exploit the fluid pressure gradients to generate spontaneous flow of extraction from the radiators. In particular, the central air is extracted from the radiator is on the bonnet and through the arch, an angle that does not contaminate the stream that flows around the body, while the air from the radiator side is channeled in the cooling ducts of brake discs and hubs, and breathe on the brakes at a temperature of about 50? ° C heat and thus raise the initial speed of the system during braking.

The side air intakes behind the front wheels generate a negative pressure inside the wheel, causing a draw that effectively lowers the coefficient of aerodynamic drag and downforce generating front. The shape of the two air intakes engine, behind the backs of the occupants, is a tribute to the most advanced supersonic aircraft of the '50s and '60s.

The connection for the exchange of the radiator is positioned behind the glass window above the engine, where a conveyor feeds the appropriate carbon heat exchanger without having a substantial impact on friction aerodynamics. To meet the design specifications on downforce has recreated a low turbulence flow at the top of the car to work the best two back flap, perfectly integrated into the body, thus generating a negative lift further amplified by two areas of strong negative pressure created from the bottom and rear diffuser.

MAN-MACHINE

As soon as the doors close Huayra transports its occupants to a new dimension, a world of meaning, to satisfy and surprise the sight, smell, touch and emotion. The driver will find all the primary functions on the steering wheel. The paddles are mounted directly on the steering gear so you can change without taking your hands off the steering wheel.

The seats provide comfort for long journeys but also the lateral support given the enormous lateral forces that the car is able to develop. Driving means driving a Pagani state of the art without forgetting the roots and history. The eye can not dwell on the leather laces and a spinner on the switches, then lost the manual transmission, shiny sculpture that embodies progress and tradition.

The aluminum panel was inspired by the most sophisticated Swiss watches and includes a central multi-function display that shows information relevant driving in sport mode and a trip computer when you select the Comfort mode. The center console aluminum is machined from a single block of anticorodal and inspired by the keys of a clarinet, with push buttons for controlling the heating and air conditioning.

The central touch screen high-definition multimedia system is the heart of the vehicle for the control of audio functions, satellite navigation, Bluetooth phone and secondary functions.

ON THE ROAD

Over the past four years we have conducted our tests with prototypes for over five hundred thousand kilometers. Before entering the U.S. market we will have one million tracks. Each prototype was assigned to a specific development: Mercedes-AMG uses one for the study of driving and one for the reduction of emissions of the engines, and a third car is constantly at Bosch Engineering to implement ABS, stability advanced and systems performance improvement, while another vehicle is dedicated to the development of exchange and the dynamic behavior.

SAFETY

The car fully respects the most exacting standards of Europe and the United States in terms of safety and environment. In addition, specific research has been conducted to study the dynamics most often involving this type of car accident. Several cars were used to validate these tests. The survey showed that the evaluations have led us to apply concepts of construction not specifically required by law but how to improve occupant protection.

TECHNICAL DATA

- Engine: Mercedes-AMG V12 Bi-Turbo M158
- Displacement: 5980 cc
- Power:> 700cv
- Torque:> 1000 Nm
- Transmission: 7-speed sequential cross. AMT robotic system with driving programs
- Length: 4605mm
- Wheelbase: 2795mm
- Height: 1169mm
- Width: 2036mm
- Dry weight: 1350 kg
- Weight distribution: 44% front 56% rear

rFactor - Prototype C – WM Peugeot P86 at Le Mans - Preview Video


quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Tienes que subirte al nuevo Nissan Tiida!


Há um Mark Zuckerberg na sua empresa? Saiba como identificá-lo

Nenhum fenômeno de bilheteria lançado em 2010 conseguiu surpreender tanto quanto A rede social. Ancorado na popularidade do Facebook, o filme oferece como maior atrativo contar a história de Mark Zuckerberg - o mais jovem bilionário no ranking da revista Forbes.

Aos 20 e poucos anos, Zuckerberg apresenta, no limite como apresentado no filme, as virtudes e os vícios dos jovens inteligentes, impetuosos e ambiciosos da era digital.

Seria uma particularidade dos cerca de 73 milhões de pessoas entre 20 e 30 e poucos anos denominada de Geração Y? Não mesmo! A história é pródiga em exemplos de jovens extraordinários e que mudaram o mundo.

Talvez o fato novo seja que jovens, como o criador da mais popular rede de relacionamento, estejam revolucionando o mundo dos negócios. Aliás, estão criando o mundo dos novos negócios e novos mercados.

Um fenômeno da Era Digital? Em grande parte sim. A Era Digital, com suas possibilidades quase ilimitadas, acende a fogueira da curiosidade (e das vaidades, claro) além da tentação de testar limites, algo inerente aos jovens.

Uma conseqüência é o pânico dos jovens que nasceram na transição analógico-digital (Geração X) e os nascidos na era analógica (Baby Bommers) em gerenciar o que é ingerenciável (como pais ou como gerentes): paixões! E um mundo de possibilidades nunca antes imaginadas.

Uma característica dessa realidade, ao mesmo tempo instigante e deletéria, é a velocidade, a urgência e ansiedade gerada pela sensação de obsolescência.

A inovação de ontem será ultrapassada amanhã. A abundância, e não a escassez de recursos, informações e de possibilidades se torna um problema. E gera culpa, nunca mitigada, numa geração quase sem culpa. Não mais a dicotomia: capitalismo ou socialismo? Só a urgência: ser feliz aqui e agora! (sem as questões filosóficas que "ser feliz" pode suscitar).

Quem, além da geração Y, está mais adaptado a um mundo em que a única certeza é a mudança contínua e vertiginosa?

Quem, senão um Y, exposto a dispositivos digitais desde a infância, pode lidar, com invejável desenvoltura, com as novas tecnologias, incluindo a grande capacidade de navegar e explorar a Internet de forma intuitiva?

O que resta ao menos adaptados, os X, os baby bommers e aos que vieram antes, senão criar as condições para que os da Geração Y façam o que sabem fazer melhor?

Vivendo nas redes sociais, os Y estão mais propensos em confiar naquilo que se espalha no marketing viral do boca a boca do que na publicidade tradicional. Por isso se adaptam facilmente a rotinas de trabalho mais colaborativos e desenvolvidos em equipe.

Sim, nessa turma a cooperação e individualismo coexistem. Deles, não espere reuniões monótonas, impositivas e prepare-se para uma apaixonada defesa de pontos de vista e um desconcertante pragmatismo.

Porque tudo lhes parece fácil e simples, e porque estão conectados com muitas pessoas e muitas informações simultaneamente, podem perder o foco e, não obstante a criatividade, podem não transformar as ideias em inovações ou produtos e serviços úteis.

E é aí que pessoas de gerações anteriores podem ser eficazes: como mentores ou coaches dos Y. Mas esqueça os estilos gerenciais que fizeram as gigantes empresas da era industrial o que foram décadas atrás.

A autoridade que aceitam é aquela advinda da competência técnica e da reputação de quem pretende comandá-los. E sabem distinguir autoridade de autoritarismo que rejeitam. Para eles, ordem e progresso não andam juntos. Progresso, sim; ordem, nem tanto.

Quer que um Y seja produtivo? Ele será, se o gerente aprender a negociar o resultado esperado. A Geração Y gosta de "trocar": trocar ideias, trocar coisas, trocar resultados e comprometimento por um trabalho com significado, desafio, aprendizagem, liderança inspiradora, ambiente de trabalho agradável e divertido.

A Geração Y gosta de lugares e pessoas divertidas. Aliás, está ensinando às gerações precedentes que o trabalho pode e deve ser divertido. Expressões como IFT (índice de felicidade no trabalho) e FIB (felicidade interna bruta) fazem parte do léxico corporativo.

Mas é esse o habitat de um Mark Zuckerberg? Pode haver um Zuckerberg na sua empresa?

É quase certo que não. Se há outros - e deve haver - ele provavelmente deve estar criando mais uma nova empresa por aí. Está criando um novo mercado (e você ainda vai comprar dele algo que ainda nem sabe que precisa).

Ele talvez até já tenha passado por sua empresa e você não reparou. Talvez seja aquele jovem cheio de ideias que ninguém levava muito sério e para quem os gerentes não tinham tempo nem paciência. Ou aquele empregado-problema, rebelde, irritante, insubordinado, que não cumpria horário, estourava prazos, orçamentos e só fazia perguntas quando você queria respostas.

É quase certo que você quisesse reter um Mark Zuckerberg se ele tivesse as virtudes do gênio que ele é, mas não vícios do homem açoitado por paixões e interesses nem tão virtuosos assim (pelo que se acompanha pelo filme). Mas aí ele não seria a personalidade do ano. Seria?

Na dúvida, melhor dialogar com os Y que habitam sua empresa. Quer saber o que pensam? Pergunte a eles o que querem, pensam e sentem. Exatamente como faz com os seus clientes especiais.

Quem sabe você não descobre em um Y de seu time de talentos com potencial de um Mark Zuckerberg?

iMasters

A História do Automobilismo Brasileiro em DVD

A História do Automobilismo Brasileiro contada em 10 episódios especiais (3 DVDs), com imagens inéditas e filmagens emocionantes. Veja os herois das pistas em ação! Apresentado por Roberto Figueroa, do programa "Curva do S",  do canal SPEED Channel.
"A História do Automobilismo Brasileiro", documentário exibido pelo SPEED Channel em 2010, e apresentado por Roberto Figueroa, já está disponível para aquisição em DVD.

São R$ 59,90 mais frete para assistir a mais de quatro horas de entrevistas, imagens de época e histórias que construíram o legado do esporte a motor no Brasil.

Para efetuar a compra, vá à loja virtual da revista Classic Show, clicando aqui.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Rápido, o que é Brasinca? Você errou.


As redes sociais vendem?

As redes sociais podem ser uma boa ferramenta de marketing para uma empresa. E o que você pensa ao ler a pergunta "as redes sociais vendem?".

Você pode questionar, e dizer que o foco das redes sociais não é a venda e sim a comunicação (interação) com o os clientes e potenciais clientes do seu negócio. Essa é uma questão na qual concordo totalmente e tenho obtido ótimos resultados com essa forma de trabalho.

Mas, elas vendem ou não?

As redes sociais podem ser usadas de diversas maneiras por empresas, sites, blogs e por pessoas que não têm um objetivo "comercial" envolvido.

01. Empresas

Podem ter como objetivo o atendimento rápido aos seus clientes e o monitoramento das suas marcas com o intuito de antecipar alguns fatos indesejáveis. Pode também servir de termômetro pra avaliar como sua marca/produto está posicionado e sendo vista pelo mercado. Além disso, as redes sociais podem ser usadas para interagir com o seu público alvo, realizar promoções, concursos, sorteios e discussões onde o tema esteja relacionado a um assunto que esteja ligado a sua empresa ou em qualquer outra forma de interação.

02. Sites e blogs de conteúdo

Já os sites e blogs de conteúdo possuem pontos que se assemelham aos objetivos das empresas, diferenciando no fato que o produto "vendido" é o conteúdo gerado (artigos, post, vídeos...). E assim como um produto físico ou uma prestação de serviço, esse conteúdo deve ser de qualidade e diferenciará um site/blog bom de um ruim. A interação com o público também é fundamental para avaliar o nível desse conteúdo.

03. Público em geral

As pessoas, diferentemente das empresas, site ou blogs têm diversos objetivos ao usar as redes sociais, podendo ser para descontrair, passar o tempo, divertir, conversar com os amigos, fazer network e muitas outras coisas que variam de acordo com o tempo disponível de cada ou da criatividade para uso dessas plataformas.

Agora você deve estar se perguntando por que o título desse artigo é: as redes sociais vendem? E não algo como: A importância da interação nas redes sociais.

Saiba que fiz essa introdução para responder. Para empresas, sites, blogs ou público em geral as redes sociais vendem, mas não da forma direta, elas ocorrem de forma indireta. Logo abaixo mostrarei como cada um vende o que tem a oferecer nessa ambiente social.

Como é com as empresas?

As empresas vendem seus produtos de várias formas. A partir do momento que você começa interagir com seus seguidores, oferecer conteúdo significante e que os direcionem para seu site ou que fortaleçam sua empresa. Também funciona quando você cria novidades que vão gerar mais visualização da sua marca, seja com vários RT no twitter, pelo compartilhamento de informações, pelo botão curtir no Facebook ou em discussões nas comunidades no Orkut.

As vendas são apenas consequências da interação da sua empresa/marca com o seu público. Tenho obtido resultados bastante favoráveis com as redes Facebook, Twitter e Orkut, e vendido muito apenas conversando com o público.

Várias vezes me deparei com vendas provenientes dessas redes, sem mesmo precisar ter contato direto com o comprador, visto nos relatórios do Google Analytics (ferramenta gratuita que permite análises do seu site). Em outros casos, tivemos vendas onde o seu início começou nessas plataformas, mas, depois continuamos por outros meios (e-mail, telefone, chat...)

E com os sites e blogs?

Da mesma forma que as empresas, precisam interagir com o público, mas o foco não é a venda de produtos e sim de publicidade ou outros meios que o rentabilize. O ponto principal é angariar visitantes para render as opções de publicidade que é utilizado ali, seja ela por meio de programa de afiliados ou por venda de pacotes publicitários para empresas.

Assim, da mesma forma que uma empresa, seu site terá que estar sempre em contato com seu nicho e gerando conteúdo de qualidade. Na verdade a primeira coisa que você terá que vender é o seu conteúdo, o título nesse ponto é de fundamental importância, pois é a porta de entrada para o conteúdo.

Até aí tudo bem. Mas e uma pessoa, o que ela venderia?

Com essas mudanças na internet e devido à grande influência da web 2.0 as empresas estão contratando e analisando as pessoas nas redes sociais. É dessa forma que pessoas também "vendem" a sua marca pessoal (marketing pessoal) para as outras pessoas e empresas. Uma rede social muito usada para esse fim é o Linkedin.

Se você já está empregado ou não está à procura de um emprego, fica a dica: continue vendendo sua marca pessoal e fique atento ao que fala nas redes. Há casos de demissões por causa de comentários inadequados deixados na web, e até outras não foram contratadas por participarem de determinadas comunidades no Orkut. Eu não gostaria de contratar uma pessoa que participa da comunidade "Eu sou muito preguiçoso", e você?

iMasters

Uma imagem

rFactor - Historic GT & Touring Car - Mercedes Benz 300SLR Coupé Interior
Confortável, não?

Clique para ampliar

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Nuevo Volkswagen Gol. Comienza tu viaje.


Richard Hammond drives Marcos TSO GT


Destaques do Detroit Auto Show 2010


Bentley Continental Flying Spur Series 51




BMW 1-series M Coupe




Cadillac CTS-V Race Car




Audi A6




Buick Verano




Chrysler 300




Mini Paceman Concept




Porsche 918 RSR






Ford Mustang Boss 302




Ford Vertrek Concept






Ford C-Max




GMC Sierra All Terrain HD Concept




Chevrolet Sonic








Chevrolet Camaro Convertible




Mercedes-Benz C-Class




Honda Civic Concept








Hyundai Veloster






Hyundai HCD12 Curb Concept






Toyota Prius V




Volkswagen Passat




Kia KV7 Concept




Jeep Compass




Highlights


sábado, 22 de janeiro de 2011

Acura TSX Sport Wagon. Advance.


Ferrari FF


O novo Ferrari FF (Ferrari Four) é o primeiro modelo da marca de Maranello a possuir tração nas quatro rodas. O substituto do 612 Scaglietti é um shooting brake quatro lugares autêntico. O design do veículo foi desenvolvido pela Pininfarina e mescla itens dos 458 Italia, California e 599 GTB Fiorano.

O motor V12 possui 6262 cm³ de capacidade cúbica, com injeção direta, produzindo 651 CV de potência a 8.000 RPM e 504 lb-ft de torque. A transmissão é sequencial de sete velocidades com dupla embreagem, com trocas por meio de borboletas, velha conhecida da marca italiana.

O carro, que pesa 1790 Kg, acelera de zero a 100 Km/h em 3,7 segundos e atinge 334 Km/h de velocidade máxima. Com o sistema stop-start HELE, criado pela própria Ferrari, que estreou no Ferrari California, as emissões de monóxido de carbono são de 360 g/km.

O primeiro sistema de tração permanente nas quatro rodas da Ferrari, patenteado com o nome 4RM, tem metade do peso de um sistema convencional, ajudando a criar uma distribuição de peso entre-eixos na ordem de 47% na frente e 53% na traseira.

Em conjunto com os diversos sistemas eletrônicos de controle de estabilidade presentes no Ferrari FF, o 4RM ajusta a distribuição de torque entre as quatro rodas para garantir o máximo de desempenho e segurança, de acordo com as condições do terreno. Além disso, o Ferrari FF tem um sistema suspensão com regulagem magnetoreológica de altura, chamado SCM3, e freios Brembo de carbono-cerâmica.

O porta-malas do Ferrari Four é bastante generoso para um supercarro, com 450 litros de capacidade, maior que o de um Renault Scenic. Com os assentos traseiros rebatidos, então, o espaço quase duplica, chegando a 800 litros.

O Ferrari FF fará sua estreia no Salão de Genebra, em março, quando serão revelados o preço e o início das vendas. A produção em série do modelo é esperada a começar em 2012.

The new Ferrari is about to arrive
The FF unveiled on www.ferrari.com

A revolutionary four-seater, four-wheel drive V12 Ferrari: exceptional performance and versatility


Maranello, 21st January 2011 – The official Prancing Horse web site, Ferrari.com, has revealed the first photographs of the new FF, the company's most powerful, versatile four-seater ever, as well as its first ever four-wheel drive car.

The FF - an acronym for Ferrari Four (four seats and four-wheel drive) - ushers in an entirely new GT sports car concept. A decisive break with the past, the new car represents not so much an evolution as a true revolution.

This new V12 melds to an unprecedented level an extremely sporty, high-performance character with incredible versatility, superb comfort and sophisticated elegance, guaranteeing both driver and passengers an absolutely unique driving experience.

Designed by Pininfarina, the shape and proportions perfectly interpret the FF's harmonious blend of sporting DNA and extraordinary usability.

The FF features the company's first ever four-wheel drive system. Ferrari's exclusive, patented 4RM (four-wheel drive) weighs 50 per cent less than a conventional four-wheel drive system, maintaining perfect weight distribution (53 per cent over the rear axle). Completely integrated with the car's electronic dynamic control systems, the four-wheel drive technology delivers record levels of performance on all terrains and in all conditions via continuous and intelligent predictive torque distribution to all four wheels. The FF is also equipped with the latest magnetorheological damping system (SCM3), as well as the most recent development in carbon-ceramic brakes from Brembo.

Exceptional performance levels come courtesy of the new 6,262 cc direct injection engine which develops 660 CV at 8,000 rpm. In tandem with its transaxle dual-clutch F1 gearbox, stunning acceleration figures (0-100 km/h in 3.7 sec.) are guaranteed. The new model's class-leading weight-to-power ratio of 2.7 kg/CV, along with its ideal weight distribution, ensures exceptionally responsive handling. The result is that owners will be able to enjoy the FF's prowess over a wide range of uses: city driving, on low grip or snow-covered surfaces and on the track. Performance aside, Maranello's latest model also offers standards of passenger space, comfort, in-car spec and equipment previously unheard of in such a high-performance car. It can comfortably accommodate four people and their luggage, thanks to the best cabin space and boot capacity (450 litres extendable to 800) figures in its category, including four-door cars.

A vast array of personalisation options and accessories has been developed for the FF. These include six model-specific exterior colours and sumptuous interior trim incorporating specially selected and treated aniline leather.

The FF, which will make its official debut in occasion of the upcoming Geneva Motor Show, is presented today with the first three photos from a dedicated shoot by Giovanni Gastel.

TECHNICAL SPECIFICATIONS

Engine

Type 65-degree V12
Overall displacement 6,262 cc
Maximum power 660 CV @ 8,000 rpm
Maximum torque 683 Nm @ 6,000 rpm
Dimensions and weight
Length 4907 mm
Width 1953 mm
Height 1379 mm
Dry weight* 1790 kg
Weight distribution 47% front, 53% rear
Weight/power ratio 2.7 kg/CV

Performance
Maximum speed 335 km/h
0-100 km/h 3.7 sec
Fuel consumption and emissions (ECE+EUDC)
Fuel consumption** 15,4 l/100 km
Emissions** 360 g/km

* European market version
** With HELE system

JDM Legends restaura carros clássicos japoneses


Trey Cobb e Eric Bizek querem compartilhar sua paixão por carros clássicos japoneses. A JDM Legends restaura veículos da "terra do sol nascente" que marcaram época na indústria automotiva. No vídeo, são mostrados um Toyota Celica 1973, um Datsun 510 1970 e vários Nissan Skyline, e dois destes já estão disponíveis para venda.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Quando você acelera o Simca Emi-Sul, parece que os outros carros param. Já pensou na segurança da ultrapassagem?

Saab Variable Compression


O Saab Variable Compression é um novo conceito de motor, feito pela fabricante de carros sueca, que pode reduzir o consumo de combustível em até 30% sem perda de performance.

O motor Saab SVC foi apresentado em 2000 e ganhou vários prêmios na Europa. Trata-se de um propulsor 1.6 de cinco cilindros, cujo bloco foi dividido em duas partes. A de cima engloba o cabeçote com cilindros integrados, e pode alterar sua inclinação em relação à parte de baixo, que abriga o virabrequim e os pistões, para modificar o volume das câmaras de combustão.

O motor varia sua taxa de compressão de acordo com as condições de dirigibilidade e exigências do motorista. Em velocidades moderadas, o uso de uma taxa de 14:1 proporciona mais eficiência, torque e economia. Jà com carga total, a taxa seria reduzida a 8:1, para evitar a detonação prematura do combustível, mais conhecida com o termo "batida de pino".

No SVC, a variação seria controlada pela ECU, com base nos parâmetros de rotação e carga do momento, além da qualidade do combustível. Como se trata de um motor de pequena cilindrada, a sobrealimentação, um compressor de alta pressão com 2,8 bar que seria acionado apenas sob demanda, foi utilizada para fazer o pequeno 1.6 SVC produzir até 225 CV de potência e 31 kgfm de torque.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Pure performance. Powered by the 2011 Subaru WRX STI.




Redes sociais e empresas: a interação não é apenas para os clientes

Falamos tanto em interação e em canais diretos com o consumidor que esquecemos de pensar ou ver o outro lado da moeda: o das empresas.

Para nós, clientes e consumidores, de serviços, marcas, produtos ou informações, uma plataforma cada vez mais abrangente em interatividade seria o ideal. Mas, e para as companhias, como fica esse intercâmbio?

Precisamos formatar nossas ideias e vivências multimidiáticas e refletirmos um pouco sobre questões nem sempre muito debatidas na rede. Será que todas as empresas realmente estão dispostas a adotar um fluxo constante de informações com os usuários? Até que ponto as corporações querem pagar pela permuta da social media?

Muitos gurus da internet e das redes sociais apenas lançam estratégias e planos midiáticos digitais revolucionários e, pasmem, imbatíveis. Mas o que muitos não cogitam é o verdadeiro fio de ouro do tecelão.

O fluxograma de informações é mais benéfico para o público-alvo do que para as empresas, e não o contrário.

Muitas empresas estão aderindo às novas mídias, em parte, por enxergarem possíveis mercados mas também por projetarem que se, ao teimarem entrar, provavelmente as informações comecem a ser trocadas sem que estas estejam participando ou controlando.

A formulação do pensamento é simples: antes, grandes empresas, médias e pequenas detinham todo o poder e controle das informações e ações - desde os perímetros internos da companhia até grande parte do território físico, ou não onde os tentáculos das marcas chegavam fora da corporação. Era como uma bolha, onde apenas um lado conseguia manejar todos os alinhamentos e trajetos, sem maiores preocupações ou frustrações.

Hoje, todo esse conteúdo, que era administrado da forma mais hierárquica possível, passa a ser manobrado por muitos. Não importa mais se uma determinada empresa é grande ou não, as informações na web 2.0 irão circular livremente e, quando negativas, os impactos gerados jamais poderão ser dominados de forma autoritária por ninguém.

As interações fizeram com que os consumidores passassem a ter um share de participação nas decisões maior até do que, propriamente, a empresa.

No mundo tradicional, as empresas detinham todo o controle de visão de onde se situavam. Na web 2.0 isso é praticamente impossível.

Não há como saber onde as empresas estão ou onde estarão, o que gera um enorme desconforto e insegurança para a tomada dos próximos passos.

As empresas estão desconcertadas pois antigamente elas fabricavam um tênis e imputavam seu uso na sociedade. Com a internet, um produto é rejeitado antes mesmo de ir para as lojas. O que antes eram dados, hoje possuem nome e sobrenome: há pessoas do outro lado do consumo.

Seja em um blog, um perfil no Twitter ou através de um e-mail, as empresas estão tendo a sensação de que estão lindando com pessoas e isso tem sido assustador para elas.

Não é por pouco que grandes empresas que já lidavam de maneira mais pessoal com seu público, como a Dell, continuam reinando na web. Souberam transmitir o relacionamento direto com o cliente do mundo offline para o online.

Porém muitas empresas ainda não perceberam isso e serão massacradas nas redes sociais, principalmente as empresas que não trabalhavam para com seus consumidores de forma eficiente.

Se você não soube construir um relacionamento entre empresa e cliente no mundo analógico, não é no digital que você irá aprender.

iMasters

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Pegue a nova onda. Passat Surf.


Floyd Landis abandona o ciclismo

O ciclista americano Floyd Landis, 35 anos, anunciou que está deixando o ciclismo de estrada, segundo reportagem da ESPN, na terça-feira (18). Ele está afastado das competições desde a edição 2006 do Tour de France, após um exame anti-dopping revelar uma alta concentração de testosterona. Após negar o fato por quatro anos, Landis, no final de 2010, confirmou o resultado.

Ao realizar a confissão, Floyd alegou que Lance Armstrong também se envolveu em casos semelhantes na sua carreira. Estas alegações têm gerado uma investigação federal sobre o astro americano.

"Passei cinco anos tentando voltar para uma posição que eu nunca pude realmente voltar, e isso está causando mais estresse do que valeria a pena. Deve haver vida além disto. Fui montando minha bicicleta durante muito tempo, tentando descobrir a vida, que é a mesma razão que eu tive para começar, então, eu tenho um círculo completo. Eu continuarei a andar de bicicleta, mas eu nunca vou começar em um ponto numa estrada e tentar chegar a outro ponto mais rápido do que um outro ciclista. Isso acabou."

Landis disse que considerou desistir da ideia muitas vezes nos últimos meses, mas que não via outra saída, a não ser deixar as competições. Acrescentou ainda que vinha se decepcionado com o que chamou de "hipocrisia" e "corrupção sistêmica" no ciclismo, e se mostrou pessimista com a ideia de que a cultura do doping poderia mudar.

"Estou realmente certo de que este esporte não pode ser 'consertado', mas isso não é meu trabalho, nem minha luta". Floyd Landis iniciou sua carreira em 1999, com a equipe Mercury. Em 2001, esteve na US Postal, e na Phonak, em 2005.

Fernando Sparrow ou Jack Alonso?


terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Antes de escolher um carro exija a melhor concepção. Volkswagen Passat.


Mídias sociais: benefício ou problema para os bancos?

A boa notícia é: o Facebook tem 400 milhões de usuários ativos e o Twitter tem por volta de 1,2 bilhão de tweets por mês. A má notícia é: o Facebook tem 400 milhões de usuários ativos e o Twitter tem por volta de 1,2 bilhão de tweets por mês.

Essa explosão das mídias sociais é um benefício, mas também um problema para os bancos. Por um lado, promove uma relação dinâmica e conexões mais profundas entre os clientes e as instituições financeiras. Do outro, representa um novo tipo de risco à fraude financeira.

A quantidade de informações pessoais compartilhadas publicamente em mídias sociais - incluindo nome completo, empregador, educação, idade e data de nascimento - constitui uma forma de "loja" para os fraudadores e os ajuda a cometer os crimes como se eles tivessem vasculhado o lixo de alguém para obter informações pessoais.

Como outros sites populares, as redes sociais estão expostas a ataques na segurança. O Facebook sofreu um ataque do Zeus, um cavalo de Tróia (malware) que rouba as informações bancárias. Uma estimativa aponta que os fraudadores enviaram cerca de 1,6 milhão de e-mails a uma taxa de 1000 mensagem/minuto por domínio.

Não é de se surpreender que os grandes bancos e as instituições financeiras tenham uma abordagem cautelosa para comprometer seus clientes em conversas digitais. Em vez de usar o Twitter e o Facebook para fazer promoção, muitos estão usando esses canais para monitorar as mensagens sobre problemas para resolvê-los o mais rápido possível.

Procure no Twitter as 20 maiores instituições financeiras dos Estados Unidos e você vai achar diversos perfis diferentes para cada uma. Quais perfis são verdadeiros e quais são canais para colocar conteúdo e atrair vítimas distraídas? Para o consumidor, a resposta não é tão aparente.

No Facebook, é possível encontrar promoções de marcas de alto nível. Quais perfis são verdadeiros e quais são falsos? A resposta não é óbvia. É claro que se algo soa muito bom para ser verdade, provavelmente não é. Mas considere o sucesso recente de fraude no Facebook por meio de uma promoção que supostamente dava um vale compras no valor de US$ 500 para as primeiras 12 mil pessoas que se tornassem fãs de determinada comunidade. Uma vez conectadas, as vítimas eram convidadas a preencher um formulário de avaliação de crédito que incluía dados pessoais críticos, fundamentais para os fraudadores.

De acordo com o Anti-Phishing Working Group - grupo que estuda a evolução, a propagação e analisa crimes de phishing na internet - cerca de 50% dos computadores pessoais e corporativos de 100 países foram infectados por malware.

É claro que os bancos devem limitar sua exposição. Uma vez que uma mídia social sofre um ataque, todo o portfólio do cliente como depósitos, poupança e cartão de crédito se torna alvo de fraude financeira. Enquanto as fraudes nas mídias sociais contam com o compartilhamento inocente de informações dos consumidores aparentemente sem importância, o poder de prevenir e de diminuir os riscos é das instituições financeiras.

Autenticações feitas com tokens, senhas temporárias, identificação keystroke ou de IP reduzem o risco de ataques. além de limitarem os ataques de informações coletadas por fraudadores nas mídias sociais. Esses sistemas de autenticações traçam o hábito dos consumidores como tempo, frequência, quantidade e destinos. Quando a atividade do consumidor mostra muita variedade ou anomalias, o sistema pode emitir um alerta de fraude antes que ela aconteça.

Enquanto a proteção a fraudes em tempo real é importante para transações com cartão de crédito, é crítico para transações com cartão de débito em ATMs, em que o débito em conta corrente é imediato. Com a proteção em tempo real, os sistemas podem identificar pagamentos que tenham alta probabilidade de fraude, evitando qualquer perda para o banco e para o consumidor.

A proteção em tempo real é apenas uma peça do quebra-cabeça. A outra peça é aproximar a proteção e a detecção de fraude como uma estratégia de relacionamento com os clientes. Quando as instituições financeiras gerenciam os produtos em unidades diferentes, a fraude pode ser evitada em uma unidade, mas continuar vulnerável em outra. Entretanto, quando uma instituição financeira cria plataformas com informações completas do portfólio bancário do cliente, pode identificar atividades suspeitas que pareceriam normais se vistas apenas por um ângulo.

As pessoas não vão parar de compartilhar as informações pessoais. A tendência é que isso cresça exponencialmente. Imagine então se um fraudador sabe, por meio de mídias sociais, seu nome, data de nascimento, nome do seu bicho de estimação, a escola em que você estudou e o nome do seu empregador. Imagine o número de pontos de vulnerabilidade que isso cria em suas transações financeiras.

Agora imagine se você postar uma mensagem em seu Farmville que você precisa de ajuda para alimentar seus animais enquanto estiver de férias. Sua ausência cria uma oportunidade perfeita para os fraudadores atacarem enquanto você não estiver prestando atenção. A velocidade de fraudes baseadas em mídias sociais demanda respostas em tempo real. Com uma boa estratégia de proteção, os bancos diminuem os riscos de fraude e adotam uma estratégia alinhada com a nova cultura e com o paradigma técnico de mídias sociais.

iMasters

Uma imagem


Sabia que Felipe Massa carregava Fernando Alonso nas costas, mas não no sentido literal da palavra...

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Esso. Helps your car stay young.

Caterham-Lola SP/300.R


A Caterham revelou oficialmente o novo SP/300.R, no Autosport International. Desenvolvido juntamente com a Lola, tem um motor Ford Duratec 2.0, com supercharger, produzindo 300 CV de potência, sendo capaz de deslocar os 600 Kg do veículo da inércia aos 100 Km/h em 2,5 segundos e alcançar a velocidade máxima de 274 Km/h.

A suspensão é do tipo pushrod com altura ajustável, os freios são AP, e os pneus, Cooper. O SP/300.R foi criado visando uma competição monomarca em 2012, embora uma versão para as ruas esteja em cogitação.

Segundo Ansar Ali, diretor da Caterham, "o esporte a motor não é só parte da história da Caterham, é a característica principal de nossos veículos: carros de corrida para as ruas. Hoje, não são somente as corridas o que movimentam os negócios, é uma parte intrínseca da nossa fábrica, e o SP/300.R representa o próximo passo no desenvolvimento de nossa linha de produtos".

A produção do Caterham-Lola SP/300.R será limitada a 25 unidades por ano, ao preço de 60 mil libras esterlinas.

CATERHAM OPENS EXCITING NEW CHAPTER IN ITS HISTORY

* British sportscar maker unveils its first sports prototype racer
* Design input from Lola and state-of-the-art Ford power
* Supercharged Ford Duratec power to generate 0-60mph in around 2.5 seconds

Caterham Cars has opened an exciting new chapter in its 50-year history with the release of its first ever sports prototype racing car for a new one-make series and the trackday community.

Unveiled at the Autosport International Show (Birmingham, UK), the Caterham-Lola SP/300.R is a major new addition to sit alongside the legendary Seven, yet remains true to its lightweight, minimalist DNA to deliver all the thrills of driving a fast, but confidence-inspiring, sportscar.

Created in partnership with another iconic British engineering brand, Lola Cars, the aesthetically-sensitive sports prototype will also feature the debut of Caterham Motorsport's new supercharged version of the Ford Duratec power plant, expected to produce around 300bhp.

Caterham is in the final stages of development of the powertrain and handling characteristics of the car, in readiness for a one-make championship to start in 2012, while the feasibility of a road-legal version of the car is also being considered.

Only 25 SP/300.Rs will be manufactured each year, allowing Caterham to focus on enhancing the build quality of every vehicle and maximising its renowned one-to-one customer service.

The car will provide the ‘top end' natural progression for Caterham's already successful domestic and international racing ‘ladder'. It will also provide the blossoming premium trackday community - both home and abroad - with a potent new model.

Bearing subtle design cues from the Seven, the first new model from Caterham since the 21 road car reproduces the Company's core motorsport values of affordability, reliability and accessibility.

With Lola, as technical design consultant, leading the aerodynamic styling and downforce development in collaboration with Caterham's design direction, the Seven's engineers have been responsible for developing the power plant, braking system and making sure the two-seater's renowned ride and handling characteristics are firmly transferred into the SP/300.R.

While the global expansion of the Seven's motor racing activity will continue unabated, the SP/300.R will allow Caterham's loyal clientele to move further up the performance racing ‘ladder' without having to leave the proven expertise and ‘value for money' of the Company's motorsport infrastructure.

"Motorsport is not only part of the history of Caterham, it's been the lifeblood running through the character of our vehicles - race cars for the road," explains Ansar Ali, managing director of Caterham Cars. "Today, racing is not only the heartbeat of the business, it's an intrinsic part of our fabric both here and abroad and the SP/300.R represents the next logical step in the development of our product offering."

Drivetrain

The beating heart of the SP/300.R will be a Caterham-tuned, supercharged version of Ford's 2.0L Duratec unit, which will produce 300bhp.

The Company's long-standing relationship with Ford continues to allow Caterham's engineers unparalleled technical access to the Ford range of engines. Today, Ford products power the entire range of Caterham cars, from the entry-level Roadsport through the entire Superlight collection.

Caterham's engineers have chosen the supercharged Duratec with its drivers in mind. As with all Caterham products, the driving experience is at the core of the SP/300.R's design.

The supercharged induction module has therefore been chosen for its linear torque delivery across the entire engine speed range, which is perfectly-matched to the lightweight architecture of the car.

The Duratec unit is well-known to Caterham's engineers and already boasts a proven track record as a resilient engine that is cost-effective for customers to run, while other offerings feature a more ‘all or nothing' character and require further refinement before Caterham will consider using them.

Caterham has worked alongside partners such as Pectel to deliver a highly-developed package that will reward drivers with advanced data logging and features such as ‘push to pass' power enhancement and an integrated semi-automatic gearshift control.

The SP/300.R will be capable of being adapted to suit alternative engines but the factory-fit engine will offer unrivalled levels of reliability - together with a perfectly-matched Hewland semi-automatic FTR transmission, Caterham aims to reproduce the enormously-durable drivetrain solution that has been so successful in the Superlight R300 series, where engine rebuilds are virtually unnecessary.

Chassis

The rich racing heritage of the Caterham Seven and Caterham's motorsport expertise will ensure the success of the Company's expansion into sports prototype racing.

However to achieve that end, Caterham has teamed up with the world's leading manufacturer of customer race cars, Lola Cars. Its expertise, particularly in the sports racing category, was invaluable in the creation and styling of a bespoke chassis that forms the basis of the SP/300.R.

With the styling aerodynamically, rather than aesthetically led, the SP/300.R has been designed using Lola's state-of-the-art CFD (Computational Fluid Dynamics) technology, with input and critique from Caterham.

The basic chassis is an aluminium tub with a longitudinally mid-mounted engine, coupled to a stress-bearing rear transaxle. A forward splitter and large rear wing reduce lift, while a flat underbody maximises ground effect benefits.

A broad aero platform generates optimal downforce and balance, while the aerodynamic performance is fine-tuned by ducts and dive-planes. The SP/300.R bodywork also features an F1-style raised nose section and sectioned panels, which will help reduce repair costs, ease maintenance and, importantly, allow single-handed removal of body panels track-side.

Caterham's research suggests that most sports prototypes in today's market require more than one person to assist in the removal of body panels, e.g. oil check, set-up, etc; the SP/300.R will be the only sports prototype that offers this unique, flexible and yet convenient feature.

The car also takes subtle design cues from the instantly-recognisable Caterham Seven; for instance, the Seven's grille shape appears beneath the raised nose of the SP/300.R.

Performance

The pairing of Lola's world-beating aerodynamic package with the Ford engine will produce a car that will easily meet the desires of Caterham customers, whether they are seeking their first serious step into sports prototype racing or the ultimate trackday machine.

The supercharged Duratec's 300bhp will propel the sub-600kg car from 0-60mph in around 2.5 seconds, translating into 500bhp-per-tonne, excluding the driver.

The gearing of the car has been selected to reach maximum rpm in top gear at the end of Spa-Francorchamps circuit's Kemmel Straight, chosen as it is one of the more frequently-visited race and trackday venues. Top speed will be around 170mph.

Suspension

The SP/300.R will benefit from full race suspension - front and rear dual wishbones with pushrod dampers, adjustable ride height and bespoke wheels and tyres will all make for a race car of exquisite balance and stability.

The rear suspension architecture is derived from that used at the rear end of the Lola Formula 3 and World Junior cars - coupled with the high downforce generated by the aerodynamic package, this will be a direct and rewarding race car to drive.

Wheels & Tyres

Thanks to Caterham's long-standing partner, Cooper Avon Tyres, the SP/300.R will stand on bespoke rubber developed specially by Cooper Tire for this car.

Cooper Tire provides tyres for the British Formula 3 International Series, acknowledged as the toughest domestic single-seater championship in the world and a recognised ‘stepping stone' to Formula 1. The SP/300.R's tyres are fitted to 13-inch race rims.

Measuring a muscular 250mm wide at the rear, and 180mm at the front, the tyres have been specifically designed to cope with vast engine torque married to a lightweight chassis.

Safety

Naturally, the SP/300.R has been built to comply with MSA safety regulations. The main component of the safety system is a roll cage, which has been designed specifically for the car and incorporated into the styling schemes.

The chassis has also been designed as a race chassis with the requisite crash structures. Other components include the six-point harness, fire extinguisher, cut-off switch and so on.

Components

In keeping with the SP/300.R's stature as a premium race product, Caterham has selected fixings and fittings of a very high quality.

These include the steering wheel, which incorporates data display (Stack/MOMO), wheels (ATS, Speedline or OZ), brakes (AP Racing) and driver's harness (Schroth).

One-make championship

With Caterham's vastly rich heritage in motorsport - both domestically and internationally - it is no surprise to find that Caterham Motorsport is planning a prestigious one-make series in which the SP/300.R will star.

The details of its own championship are yet to be finalised, but the SP/300.R series will initially focus on UK circuits, with the potential addition of one round abroad.

However, the projected success of the cornerstone debut season is expected to make the SP/300.R and its race series eminently marketable further afield in Europe, which will provide a major boost to Caterham's already thriving export market.

Caterham Motorsport

Caterham has proven over the last 25 years that it is expert in producing and managing world-class motor racing championships and events.

The Company's motorsport ‘ladder' provides a cost-effective, easy-to-run solution for drivers of any ability to get into racing, from complete novices with the Academy series to the Superlight R300 for seasoned semi-professionals.

The Caterham Academy, which takes novice non-racers through the process of getting their race licence to enjoying their first season of competitive action, has become one of the UK domestic scene's lynch pins, creating around 750 brand new racing drivers since its inception in 1995.

It is the proven organisational expertise and infrastructure that will run the new one-make championship for the SP/300.R, starting in 2012.

The Caterham-Lola SP/300.R is priced at £60,000, excluding local taxes.

domingo, 16 de janeiro de 2011

"We just bought our 4-year old an American Eagle."


Gran Turismo 5 Offline Update


Se você não possui uma conexão veloz à internet na residência onde seu PlayStation 3 está, ou fica furioso com o fato de ter que esperar por volta de dez horas para o seu console efetuar o pesado download de 608 MB da versão 1.05 do Gran Turismo 5, seus problemas acabaram! Só que a solução NÃO foi desenvolvida pelas Organizações Tabajara, portanto, funciona!

Para resolver esse percalço, você só precisa baixar o arquivo de atualização no seu PC e de um servidor proxy, além de uma estrutura de rede local em sua casa, ou um cabo crossover, cujos terminais RJ45 são ligados de forma a criar uma conexão entre dois aparelhos sem a necessidade de um roteador ou switch entre eles.

Agora, irei explicar o processo de atualização offline do Gran Turismo 5.

Para início de conversa, faça o download do PS3 Proxy Server. É ele que fará o "meio-de-campo" entre seu PC e o seu PlayStation 3, fazendo o console "pensar" que o PC é o servidor de download da Sony.

Instale e execute o PS3 Proxy Server. Ele não cria ícones no desktop nem no menu Iniciar, então, vá ao Windows Explorer e acesse a pasta C:\Arquivos de Programas\CF3B5\PS3.ProxyServer, e faça um duplo clique no arquivo PS3.ProxyServer.GUI.exe.

Enquanto você configura sua rede local, você pode baixar o arquivo de atualização do Gran Turismo 5 através deste link. Escolha o arquivo da versão que corresponde à sua midia, se é americana, europeia ou japonesa. Caso não queira baixá-lo agora, espere para fazê-lo durante o processo de atualização.

No PS3 Proxy Server, na aba Proxy Setting, digite, no campo IP Address, o endereço IP correspondente ao seu PC. Você pode verificar isso na linha de comando, digitando ipconfig e teclando ENTER, ou acessando as propriedades de sua conexão de rede local. No campo Port, digite 8080. Selecione a opção PS3 Mode. Aperte Start. O servidor proxy será iniciado e receberá as requisições de acesso à internet de seu PlayStation 3.

Vá ao seu console. Conecte-o à sua rede local e ligue-o. Vá em Network Settings, depois em Internet Connection Settings, e escolha se sua rede é cabeada ou wireless. Entre com as configurações necessárias para o acesso à sua rede local, caso seja a primeira vez que o PlayStation 3 acessará sua rede. Caso seu console já esteja configurado, você pode ignorar esta parte.

Agora vem a parte mais importante: a configuração de proxy. Escolha para usar um servidor proxy, e digite o endereço IP e a porta que você configurou no PS3 Proxy Server. Saia da configuração e inicie o Gran Turismo 5.

Ele verificará, através da conexão com o seu computador, que existe atualização para o software do jogo. Inicie o download. Aguarde de cinco a dez segundos e interrompa o download. Ele voltará para a tela principal do sistema operacional do PlayStation 3. Isso é normal. O Gran Turismo 5 não iniciará mais enquanto seu console estiver conectado à internet e "saber" que existem atualizações.

Volte ao seu PC. Vá ao PS3 Proxy Server e abra a aba Logs. Haverá alguns registros de requisições a um endereço de internet semelhante a este: http://b0.ww.np.dl.playstation.net/tppkg/np/BCUS98114/BCUS98114_T13/7325c8d19af454e3/UP9000-BCUS98114_00-0000000000000000-A0105-V0100-PE.pkg. Esta é a localização do arquivo de atualização que o Gran Turismo 5 tenta baixar. Copie este URL para a área de transferência, o famoso CTRL + C. Caso você ainda não tenha baixado este arquivo pelo método mencionado acima, vá a um navegador de internet e faça o download.

Com o arquivo de atualização salvo em seu PC, vá à aba Replace Files. Clique em Add. Aparecerá uma linha com duas colunas. Na coluna esquerda, cole o endereço do arquivo de atualização. Na coluna direita, aperte no botão cinza existente. Aparecerá uma janela de seleção de arquivo. Selecione o arquivo baixado. É isto que fará a "mágica".

Volte ao seu PlayStation 3. Inicie o Gran Turismo 5. Faça o download da atualização normalmente, como se fosse pela internet. O download será muito rápido, visto que será feito com a velocidade da sua rede local, através do PS3 Proxy Server, que enviará o arquivo de atualização do PC ao seu console. Espere que o PlayStation 3 realize todo o processo de download e instalação, que levará por volta de dez minutos.

Pronto! Depois de reiniciado o Gran Turismo 5, feche o PS3 Proxy Server. Caso preferir, pode excluir o arquivo de atualização do seu PC ou faça backup. O seu Gran Turismo 5 estará atualizado. Entre as principais novidades, existe a opção de defeitos mecânicos no veículo em virtude de colisões, para que surtam efeito apenas por alguns segundos ou se será preciso ir ao pit lane para consertá-los, além de áreas online no GT Mode, como o Open Lobby e os Seasonal Events.

Este procedimento funciona não só para o Gran Turismo 5, mas para qualquer outro título do PlayStation 3. Basta executar as mesmas tarefas descritas acima para verificar se o processo de atualização é executado da mesma maneira. Inclusive, é possível fazer downloads de add-ons adquiridos de graça ou mediante pagamento. Basta verificar pelo log o URL do arquivo, baixá-lo em um navegador ou gerenciador de downloads, e realizar o processo de substituição do endereço de internet pelo local do arquivo em disco, na aba "Replace Files".
KART CROSS | DRIVETRIBE | BECOME A MEMBER