Mostrando postagens com marcador Web Development. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Web Development. Mostrar todas as postagens

Quer postar um link do seu site no Facebook, mas ele não carrega corretamente? Siga estas dicas para resolver o problema.

Facebook Open Graph Object Debugger
Você criou uma página, post ou outro conteúdo novo para o seu site, e chegou o momento de compartilhar a novidade nas redes sociais.

Só que, às vezes, quando você cola o link na caixa de texto do Facebook, algo parece estar errado: as informações da página não aparecem, a imagem exibida não é a correta, entre outros problemas.

No entanto, o Facebook disponibiliza um recurso que possibilita que você mesmo resolva este problema. No Facebook for Developers, existe um programa chamado "Depurador de Objetos" ou "Object Debugger".

Infográfico: onze maneiras de criar posts otimizados para SEO

Infográfico: onze maneiras de criar posts otimizados para SEO
O conteúdo do seu blog pode ser ótimo, mas precisa estar em destaque nos resultados dos buscadores, como o Google e o Bing.

Quer saber como?

Cinco dicas de HTML para campanhas de e-mail marketing

Ao pensar no layout de uma campanha de e-mail marketing é preciso ter em mente que será preciso criar uma peça exclusiva, com linguagem e estrutura específicas para este meio.

A experiência nos mostra que o HTML das mensagens enviadas por e-mail deve ser construído de maneira limpa e clara, até mesmo arcaica, se compararmos com a estrutura rebuscada dos códigos usados em grandes sites. Para e-mail marketing, o mais indicado ainda são as estruturas em tabelas.

A maioria dos provedores de e-mail como GMail, Hotmail, Terra, Yahoo não interpretam uma série de atributos avançados, o que pode levar a uma baixa em suas taxas de entrega e entregabilidade, já que o template é um dos pontos de avaliação para que a mensagem seja entregue na caixa de entrada ou no lixo eletrônico.

Quando o provedor não consegue "ler" a mensagem, as chances dela ser bloqueada ou enviada para a caixa de spam aumentam exponencialmente, por isso, a recomendação é criar peças simples e não correr o risco de enfrentar restrições desnecessárias.

Como fazer as páginas de seu site gerarem posts com imagens grandes no Google+

Recentemente, o Google+ adicionou uma nova característica na sua linha do tempo: a possibilidade de inserir links com imagens grandes, formato semelhante ao que o Facebook também incorporou em sua interface.

Se você possui um site cujo código HTML foi você mesmo ou alguém terceirizado produziu, e, ao preencher o URL de uma página no formulário de novo post no Google+, não entende por que a miniatura da imagem recuperada sempre fica pequena, por maior que ela seja, saiba que apenas uma linha de código resolve seu problema.

Inovação x necessidade: qual o custo?


Em sua apresentação no 7Masters Zend Framework, em setembro deste ano, Ronny Nascimento, diretor de operações da Flex Interativa, falou sobre a relação de inovação e necessidade em relação aos custos para a empresa, além das razões de utilizar o Zend Framework em sua empresa.

O futuro do HTML 5

I´ve seen the future. It´s in my browser. HTML 5.
O HTML 5 chegou com força e virou o queridinho dos desenvolvedores. Desde 2004, o formato já estava em desenvolvimento. Mas só agora é possível ver um pouco do novo HTML em cada aplicativo ou site.

No início do ano, o Mobile World Congress, em Barcelona, na Espanha, reuniu um grupo de gigantes para impulsionar a linguagem. Mozilla, Microsoft, Apple e outras mais que também fazem parte do consórcio mundial de padrões da web,W3C, querem a popularização da linguagem.

O especialista em web desenvolvimento do grupo no Brasil, Reinaldo Ferraz, dá uma boa explicação para tanto interesse: "o primeiro ponto é porque o HTML 5 é um padrão aberto e gratuito".

O formato já é amplamente usado em dispositivos móveis, principalmente os que possuem sistema operacional iOS, já que os primeiros tablets da Apple não suportavam Flash. Desde então, muitos colocaram o novo HTML como rival da linguagem da Adobe, ou aquele que finalmente conseguiria extinguir o Flash de vez.

Cinco razões para se investir em site mobile em vez de aplicativo

Assim como no artigo anterior, há vários motivos para se escolher desenvolver um aplicativo em vez de um site próprio para dispositivos móveis. São razões técnicas, de custo ou mesmo de experiência de uso.

E como dois gumes de uma faca, há também cinco motivos para você escolher desenvolver um site mobile e não um aplicativo. Por abordar sempre o lado do negócio, do marketing, os motivos são menos técnicos do que muitos gostariam, mas há muitos empresários e empreendedores ainda com dúvida do que trará um melhor resultado para sua estratégia.

Cinco razões para você investir em aplicativo em vez de mobile site

Para mostrar como pode haver dúvida em relação a esse investimento, haverá dois artigos, o primeiro, este que está lendo, dando cinco razões para você seguir o caminho da criação de um aplicativo, e outro, com cinco razões para você investir na criação de um mobile site.

São razões práticas e bem diretas, mas fica a cargo de cada um analisar se elas são importantes a ponto de convencê-los a ir por um ou outro caminho. Cada cenário é um cenário, não tem como ter uma receita mágica...

HTML 5 e SEO: mitos e verdades

Sabemos que o Google está cada vez mais buscando relevância em conteúdo de alta qualidade e campo semântico que tenha significado.

A cada atualização do algorítimo, percebemos que conteúdo de qualidade também precisa estar semântico, ou seja, que faça sentido tanto para os usuários como para o Googlebot, o robô do Google.

Um dos assuntos mais discutidos em SEO, é se o código de um site tem o poder de influenciar o ranqueamento no Google.

Se seu site estiver escrito em HTML 5, ele pode ganhar vantagem? Afinal, até que ponto o HTML 5 pode impactar o SEO? Se um site estiver escrito em tabelas (forma antiga e obsoleta de estruturar um site), ele pode perder pontos com o Google? Vamos discutir isso.

Como criar botões que geram mais cliques

Botão call-to-action é o botão que chama o usuário para uma ação principal na página. Nas lojas virtuais, os botões call-to-action mais comuns são os botões cadastrar, pagar, adicionar ao carrinho e, um dos mais importantes, o botão comprar.

Não existem receitas milagrosas. O que existem são boas práticas que podem, e devem, ser seguidas por qualquer lojista, para facilitar a navegação e a vida dos clientes.

1. Tamanho

O tamanho dos botões é determinante para criar botões eficazes, pois botões muito pequenos ficarão perdidos na página, enquanto botões grandes demais vão chamar tanto a atenção que irão sobrepor outras informações importantes, como o valor do frete e prazo de entrega nas páginas de detalhes do produto, e até correm o risco de serem confundidos com um banner.

Melhore o seu Analytics com Google Analytics On Steroids (GAS)

Google Analytics On Steroids (GAS)Se você já tentou instalar o Google Analytics alguma vez, sabe que a implementação básica é simples: basta colocar um pequeno bloco de código fornecido pelo GA no seu site.

Mas o que é esse código?

Um simples pageview no carregamento de cada página e mais nada. Com isso o GA já é capaz de alimentar quase todos os seus relatórios.

Com a implementação padrão você já tem:

- Páginas acessadas
- Caminho da navegação
- Páginas de saída
- Fonte de tráfego

E o que mais você poderia querer?

- Por quais links seus visitantes estão saindo do site?
- Quantos terminam de assistir os vídeos?
- As páginas longas são vistas até o final?
- Qual é o campo com maior índice de desistência do formulário?

A lenta morte das páginas iniciais

Phillip Klien, cofundador da Predicta, reforça que é muito importante que os websites tratem cada página como se fosse a homepage
Browser address bar
A morte da homepage dos websites está em curso, no sentido de que não há mais uma página "home", que funciona como a única entrada para os visitantes acessarem um site e todo o seu conteúdo.

O surgimento de “entradas” alternativas geradas através de sites de busca, redes sociais e dispositivos móveis, entre outras, transformou a página inicial em uma forma de as empresas promoverem a marca online em vez de agir apenas como um uma porta de entrada.

Isso não é uma surpresa. As novas tecnologias mudaram a forma como os consumidores interagem com os sites. Agora o comportamento é baseado em palavras-chave, compartilhamento social e acesso à informação a partir de qualquer lugar, a qualquer hora.

Especialista em APIs: você ainda vai precisar de um

Estamos inseridos em um mundo de negócios cada vez mais conectado, no qual integrar-se com parceiros, fornecedores e clientes é um dos passos obrigatórios para a sobrevivência. Entretanto, as integrações são criadas caso-a-caso, mesmo que o contexto de negócio seja igual e, assim, torna-se um importante diferencial para a empresa oferecer a seus parceiros e clientes um canal de integração que seja de fácil conversa.

API (do inglês Application Programming Interfaces) é um conceito bastante comum no mundo das redes sociais, mas que ainda não havia encontrado eco no mercado corporativo. De carona em termos da moda como Cloud, Mobilidade, SOA (Arquitetura Orientada a Serviços) e Internet das Coisas, muitas empresas começam a demonstrar interesse em expor APIs para seus parceiros ou clientes. Ou ainda de forma mais abrangente, para que o ecossistema de desenvolvimento de Apps possa consumir as APIs, transformando-as e levando as informações para lugares onde a empresa não poderia chegar com a forma tradicional de integrações caso-a-caso.

A onipresença da informação e a morte do page view

A publicidade é essencial na vida das empresas, o que faz com que as corporações de mídia movimentem orçamentos gigantescos. As mídias tradicionais, como rádio, televisão, jornais e revistas dominavam esse mercado. Na década de 90 observamos a chegada da Internet e com ela uma mudança radical na forma de como a informação é consumida.

Em um primeiro momento chegaram os diretórios e os portais, depois os meios de busca, os vídeos, seguidos das redes sociais. Nos últimos dez anos olhamos os gráficos da quantidade de pessoas que entram na internet e hoje somos mais de 2 bilhões, com taxas de crescimento exponenciais. Conforme estudos do eMarketer, os gastos publicitários na internet já ultrapassaram os jornais e revistas juntos e o próximo passo é ultrapassar a TV.

Tendo em vista esse crescimento, inúmeros negócios foram criados para aproveitar essa oportunidade e o aumento da audiência, que cresce a taxas de dois dígitos todos os anos. Porém, tivemos um fenômeno no último ano onde a quantidade de page views das principais propriedades de internet caíram ou tiveram um crescimento muito abaixo do esperado.

A tendência agora é que essa audiência comece a cair mais e mais e que todos esses modelos baseados em page views percam força, isto é, uma fortíssima disruptura nos modelos de negócios atuais e que estão por vir.

Dez passos para melhorar o checkout da sua loja online

Vários são os fatores para aumentar o faturamento do seu e-commerce, mas basicamente todos envolvem melhorias para agradar o cliente. O checkout do seu ecommerce pode afastar ou fazer com que o cliente perca o interesse na compra.

1. Diminuir o número de páginas do processo

Mostre o passo-a-passo do processo do carrinho de compras. Caso tenha muitas etapas no fechamento, coloque um mapa das etapas. É aconselhável que tudo aconteça em, no máximo, quatro páginas.

Muitos especialistas em usabilidade defendem os benefícios de reduzir o checkout para tão poucas páginas quanto possível. Enquanto, na teoria, isso funciona, às vezes, o mundo real fornece outros fatores que devem ser considerados.

Grandes mentiras sobre HTML5

Você anda de congresso em congresso, de palestra em palestra e vai colecionando uma série de leis e cânones que vêm de cima pra baixo sobre HTML5. Às vezes fico ruborizado ao ver aquela pessoa que tem pouca informação, má fé ou má intenção, dizendo absurdos sobre HTML5 ou qualquer uma das novas APIs agregadas a ele.

A verdade é que tudo é muito simples, e que tem pouca gente com coragem de dar a cara pra bater fazendo o que tem que ser feito: abandonar o desgastado, velho e semanticamente limitado XHTML. Vamos classificar algumas mentiras clássicas sobre HTML5.

Sete dicas de otimização de conversão em landing pages

É cada vez mais importante que cada detalhe de um e-commerce ou uma landing page seja pensado para atrair mais leads, ou seja, mais conversões. Por isso, a otimização de conversão em sites tem se mostrado cada vez mais presente no setor de marketing digital e SEO e fazer uso dessas técnicas com certeza irá aumentar o número de leads e consequentemente o aumento da sua receita.

As técnicas de otimização de conversão também têm se mostrado presentes, em especial às landing pages, isto é, páginas de destino onde o usuário possa concluir uma meta ou objetivo final do site: conversão.

As landing pages são criadas exatamente para fazer com que o usuário encontre facilmente o que deseja e possa sair da página satisfeito e com seu objetivo concluído.

Neste artigo, serão citadas sete dicas importantes de otimização de conversão que lhe auxiliarão a melhorar os resultados de qualquer landing page.

O que é necessário para deixar o HTML5 pronto para empresas?

Recentemente, várias discussões sobre os méritos relativos e as desvantagens do HTML5 surgiram por meio de comentários de ícones da indústria sobre suas estratégias de desenvolvimento.

Mark Zuckerberg admitiu que o "maior erro estratégico que nós já cometemos" foi depender inteiramente do HTML5, como uma refrescante e sincera avaliação sobre a estratégia de open web de sua equipe.

Mesmo que Zuckerberg não seja contra o HTLM5, é possível dizer que um dos gigantes da área se conteve em não afirmar que eles deveriam ter escolhido o caminho do desenvolvimento nativo. Igualmente, Renée James, VP Senior da Magic Software e Serviços, disse na Intel: "O HTML5 foi projetado para ser uma tecnologia multi plataforma e, mesmo sabendo que há várias opiniões diferentes, todos nós concordamos que ele está sendo muito superestimado."

No entanto, não podemos dizer que não há futuro para o HTML5.

Como se posicionar melhor no Google

Google Tablet PC with Google Search home page opened
Eu já devo ter lido uns 50 artigos com o tema "Como se posicionar melhor no Google", e acreditem: o foco não deve ser o Google! O foco deve ser o usuário.

Claro que existem boas práticas que devem ser adotadas, e vou falar sobre elas. Porém, o foco está cada vez mais no usuário. Como atingi-lo?

Faça conteúdo de qualidade e com relevância ao tema geral do seu site ou e-commerce. O Google leva em consideração a atividade do seu site nas redes sociais, e produzir conteúdo interessante levará seu público-alvo a compartilhar e comentar sobre os assuntos produzidos.

Como produzir um bom conteúdo digital?

Copos da Budweiser tornam pessoas amigas no Facebook com um brinde

Buddy Cup - Budweiser Facebook Integration
Se você vai a baladas e festas, e tem dificuldade em pedir ou ser adicionado como amigo por alguém que vê pela primeira vez, saiba que este problema está perto de ser resolvido.

A agência Africa, com uma ação publicitária para a cerveja Budweiser, criou o Buddy Cup. Trata-se de um copo, que possui em seu interior um chip conectado ao Facebook. Quando duas pessoas fazem o tradicional brinde, tocando ambos seus copos um ao outro, os dispositivos eletrônicos são ativados, adicionando automaticamente um ao outro na rede social.