Introdução ao Kart: Parte 2




Muitas pessoas simplesmente não conseguem pilotar um Kart, já que é difícil para elas compreender como entrar rapidamente em uma curva, prendendo a respiração e sentindo sua cabeça quase "se desprendendo de seu corpo e sair rolando até chegar nos pits". Entender como fazer uma condução competitiva na pista e, ainda por cima, defender-se dos oponentes, são fatores importantíssimos a se levar em conta antes de colocar a mão no bolso e comprar seu Kart.



Antes de ter seu próprio Kart, e conhecer a forma de conduzi-lo, a melhor forma de fazer isso é participar de corridas de Karts de aluguel, ou ir a alguma escola de pilotagem. Lá, são fornecidos macacões, luvas, capacetes, e o que mais for necessário para uma experiência segura e satisfatória. Os Karts oferecidos nestes lugares são os que possuem proteção de chassi, motores quatro tempos que têm potência inferior a 10 CV, e pneus que, de tão gastos, já não tem mais os "furos" que indicam seu desgaste, mas ainda oferecem grip muito mais que o suficiente para este tipo de veículo.



Na primeira vez que você pilota um Kart, se você conseguir não sair da pista, rodar ou cometer "barbeiragens", as dores corporais resultantes do esforço de conduzir este veículo logo aparecem, nos braços, pernas e, principalmente, no pescoço e no quadril, que são as partes que mais sofrem com as acelerações laterais, mais conhecidos como forças G. Com uns 300 reais, proteções para estas partes do corpo podem ser adquiridas, para que as dores possam ser minimizadas, poupando ciclos cerebrais para que o piloto possa se concentrar mais na pilotagem.



Depois das primeiras voltas, você começa a se animar, e quer chegar ao seu limite. É aí que as coisas começam a se complicar. Você tem que encontrar a trajetória perfeita da pista, para realizar as curvas na maior velocidade possível, além de ter que negociar as forças G que são transferidas diretamente das rodas do Kart para seu corpo, e conhecer as reações do veículo que está conduzindo. Tudo isto leva muito tempo de treinamento, dedicação e força de vontade, caso contrário, você irá desistir bem cedo.



As físicas e reações de um Kart de baixa potência são as mesmas de Karts mais potentes, e as suas diferenças praticamente se resumem à força do motor utilizado, nos freios e na presença, ou não, de caixa de marchas, e cabe a você aprender tudo isto com rapidez, caso queira subir de categoria, para que possa pilotar veículos mais velozes e, quem sabe, participar de campeonatos.

Confira os outros episódios da série:

Introdução ao Kart: Parte 1
Introdução ao Kart: Parte 2
Introdução ao Kart: Parte 3
Introdução ao Kart: Parte 4
Introdução ao Kart: Parte 5
Introdução ao Kart: Parte 6

Nenhum comentário:

Postar um comentário