SEO vs. Facebook: um estudo sobre conversões e tráfego

Quando investimos em mídia, queremos obter resultados. Para isso, focamos em gerar as mais diversas conversões: envio de formulário (lead), transação em e-commerce, ou cadastro em newsletter.

Foi considerando esses fatores que fizemos um vasto levantamento de taxa de conversão nas principais mídias: otimização de sites (SEO) e Facebook, mas o leitor poderá observar dados de PPC, e-mail marketing e referência nos relatórios abaixo, os quais, entretanto, não entrarão em conta neste breve e sucinto estudo.

As mídias sociais mudam paradigmas

As mídias sociais estão cada vez ganhando mais importância e, se combinadas com estratégias de SEO, são matadoras. Verifica-se um verdadeiro crescente de tráfego vindo do Facebook, e aí surge a questão: qual tráfego vale mais, o de busca orgânica do Google, que consiste numa intenção, ou o do Facebook, que geralmente vem de recomendações de amigos e interesses?

A resposta mais óbvia é que são tráfegos distintos, muito embora da mesma forma importantes. E são. Mas vamos analisar algumas informações para saber o valor real de cada uma das origens.

Entenda o tráfego do Google

Uma busca no Google denota uma intenção de resultado. O comportamento psicológico denota uma confiança na autoridade e relevância do buscador.

As buscas no Google podem ser de 3 tipos: de atalho, quando fazemos uma busca para economizar digitar um endereço, saibamos ou não; de informação, quando desejamos obter uma informação, o resultado de um jogo, o diretor de um filme etc.; ou de transação, quando denota uma intenção de adquirir um produto comercial.

Obviamente, as buscas de transação são as mais valiosas e as que mais devemos investir nossos esforços de SEO, embora representem cerca de apenas 10% de todas asbuscas. Entretanto, as buscas de informação podem eventualmente gerar conversões. Já as buscas de atalho servem basicamente para o proprietário do site ou local.

Entenda o tráfego do Facebook

Ao contrário do Google, o Facebook gera um tráfego viral e vindo de círculos sociais. Não denotam intenção, nem mantêm a relação hierárquica do Google; ao contrário, o Facebook não tem autoridade em si e é apenas uma plataforma. Em compensação, os usuários cada vez mais confiam em pessoas iguais a ele.

Desse modo, é mais improvável o compartilhamento de links e informações focadas em vendas diretas; ou seja, o Facebook é, no fundo, uma mídia de informação e não de transação. Aliás, mais do que de informação, é uma mídia de comunicação, paixão e entusiasmo: está ali a vida pessoal de cada uma das pessoas, ao alcance de qualquer pessoa ou marca.

O Facebook é subjetivo, o Google é objetivo.

Qual gera mais conversões?

Vamos a campo entender pelos resultados e compreender a validade dos mesmos.

- Site da Conversion

Conversões analisadas: Leads, Newsletter, Outros


- Instituição de Educação

Conversões analisadas: Leads, Newsletter, Outros


- E-commerce de nicho

Conversões analisadas: Leads, Newsletter, E-commerce, Outros


- Agência de viagens

Conversões analisadas: Leads, Newsletter, Outros


- Escola de artes

Conversões analisadas: Leads, Newsletter, Outros


Observações interessantes

Surpreendentemente, o Facebook tem uma melhor taxa de conversão. Convém observar que, na média, o Google leva um pouco de mais tráfego que o Facebook, principalmente em empresas que não investem em mídias sociais através de estratégias como a de Social SEO.

Em três dos cinco casos, entretanto, o Facebook converte na média e, considerando todas as conversões acompanhadas, mais que a busca orgânica. Esse dado, para muitos, pode parecer surpreendente.

Observa-se que as mídias sociais, em três dos cinco casos, competem em importância com busca orgânica, mas esta em quase todos os casos é a fonte mais importante de tráfego, quando a mais importante de todas elas não é o Google AdWords.

Podemos perceber que todas essas estratégias, SEO, PPC e redes sociais, são importantes para as empresas.

Conclusão

Esta é uma conclusão pessoal que, em certa medida, contraria o estudo. Pois nem tudo se resume a números, é preciso usar a nossa percepção e análises secundárias, que não trouxemos neste estudo, como a taxa de fechamento final de cada uma das origens.

O tráfego preferido continua sendo o de otimização de sites (SEO), depois o de links patrocinados (PPC), e por último, o tráfego de mídias sociais, que deve ser avaliado sobretudo como um ativo intangível. Em última análise, veja-se o tráfego do tipo busca de transação (SEO ou PPC) como o mais valioso a curto prazo, enquanto o de ativo intangível (redes sociais) é o mais valioso a longuíssimo prazo. Sem contar que nem toda interação no Facebook gera tráfego para o site.

Na dúvida entre SEO e Facebook? Faça os dois!

iMasters

Nenhum comentário:

Postar um comentário