Por que meu site demora tanto para ficar pronto?

O problema abordado neste artigo acomete dez entre dez empresas que têm presença na internet: o atraso entre produzir e colocar o website da empresa no ar. Este mal, que independe do segmento de atuação, porte, valor investido ou se o desenvolvimento é feito por equipe interna, "sobrinho" ou agência especializada, parece seguir fielmente os preceitos da Lei de Murphy: se alguma coisa puder dar errada e atrasar o projeto, certamente vai acontecer.

Como profissional de marketing digital, gostaria muito de anunciar uma solução simples para o problema. Certamente não daria conta de atender tantos clientes que surgiriam! Mas infelizmente a questão é complexa e exige o envolvimento de vários fatores para ser resolvida.

O desenvolvimento de um website pode ser comparado à construção de uma casa. Por melhor que sejam os engenheiros, arquitetos ou pedreiros, toda construção está sujeita a contratempos que inevitavelmente acarretam atrasos na finalização da obra. Por exemplo, o levantamento da estrutura é feito conforme o previsto, mas pode sofrer problemas no encanamento e instalação elétrica. Quanto maior o atraso para finalizar esta etapa, mais demorado será iniciar a etapa seguinte, como instalação do piso, azulejos e pintura. Atrasos também podem ser provocados por detalhes. O mínimo desnivelamento do piso da sala impede a colocação do carpete de madeira, e a solução pode levar semanas se o pedreiro encarregado já finalizou a sua parte e está trabalhando em outra obra. Quem já construiu ou reformou a casa sabe o que estou falando.

O mesmo acontece na produção de um site. Em agência ou departamento especializado, envolve profissionais de diferentes especialidades em cada etapa: designers, programadores, profissionais de marketing digital, editores. Cada um possui uma lista de projetos em andamento e quando finaliza o seu trabalho em um site parte para o seguinte. Se você fizer alguma alteração de última hora depois de a etapa ter sido concluída, inevitavelmente irá para o "fim da fila", ou seja, terá de esperar que os outros projetos sejam também concluídos para voltar ao seu. Se a mudança necessita do envolvimento de outros profissionais (cada um com sua fila de projetos para executar e concluir), imagine a bola de neve que essa simples alteração pode ocasionar em termos de atraso.

Baseado na experiência (de passar por todos os problemas e imprevistos possíveis e imagináveis, podem acreditar!), listamos a seguir cinco critérios a serem levados em conta e que podem reduzir em 80% o índice de atraso no desenvolvimento de um website. São eles:

Defina os objetivos: Na maioria das empresas, os motivos para fazer ou refazer um site são geralmente muito vagos. "Ruim", "desatualizado" ou "antigo" são os argumentos mais recorrentes e levam em conta apenas aspectos relativos às informações ou ao visual. Com isso, o desenvolvimento em muitos casos "empaca" por questões prosaicas, como disposição ou tamanho dos textos, cores, posição do menu ou tamanho do logo. Claro que essas são preocupações importantes, mas o que precisa ser priorizado é a finalidade do site: aumentar a visibilidade da empresa na internet, aumentar o número de visitas, destacar os diferenciais ou determinados produtos e serviços, incentivar o visitante a entrar em contato direto.

Tenha um planejamento: O primeiro passo é estabelecer o que tem de aparecer com destaque (textos sobre a empresa, serviços, cases de clientes, imagens de produtos etc.). Se a meta é levar o visitante a conhecer um lançamento, por exemplo, há informações e imagens suficientes e atraentes para chamar a atenção? O segundo passo é definir a "usabilidade" do site, ou seja, como o conteúdo será apresentado de modo a permitir que o internauta encontre o que procura com facilidade. Isso pode ser feito por meio da "arquitetura da informação" ou wireframes, que nada mais são do que montar um esboço para testar a funcionalidade e a navegabilidade do site.

Simplifique: Hoje a regra na internet é a praticidade. Ninguém, nem você e muito menos seu cliente, quer perder tempo esperando o site carregar ou ficar indo de lá para cá em busca da informação que lhe interessa. Portanto, não tenha receio em cortar o que não seja necessário, sejam textos, imagens ou páginas. Isso também agiliza a programação do site, que vai se concentrar no que é essencial.

Faça um check-list: A maioria dos projetos atrasa muito além do previsto simplesmente porque a empresa não dispõe ou demora a passar o conteúdo, quando não "descobre" que este está muito desatualizado e resolve fazer outro, o que demanda mais semanas ou meses. Para evitar esse contratempo, faça um check-list para determinar o conteúdo disponível e o que precisa ser atualizado antes de dar início à produção do site propriamente dito.

Monte um cronograma: Especifique as etapas do projeto e tempo médio de execução de cada uma. Dessa forma, é possível identificar os itens que poderão provocar atrasos e remanejar os prazos dentro da realidade. Se, por exemplo, a previsão é de que o site esteja pronto em 15 dias a partir do momento em que o conteúdo seja entregue, mas este sofra um atraso de 30 dias, todos ficam cientes de que o prazo automaticamente será estendido para 45 dias.

Evite alterações de última hora: Esta também é uma das principais causas dos atrasos no projeto. O site está na etapa de finalização e um dos diretores resolve implicar com a disposição do logotipo da empresa, ou percebe que as fotos da equipe precisam ser refeitas. É aqui que entramos no efeito "bola de neve", explicado anteriormente. Uma alteração que parece simples pode necessitar de vários profissionais para executar cada etapa necessária, estendendo a produção por mais alguns dias ou, em alguns casos, encarecendo também o processo. Portanto, certifique-se de que o conteúdo está atualizado, o wireframe foi aprovado pelas instâncias superiores, esteja com o cronograma sempre em mãos e alerte para as outras áreas da empresa que futuras mudanças fora do previsto provocarão atrasos.

iMasters

Talvez você também queira ver...

Postar um comentário