Briatore é banido da Fórmula 1, Pat Symonds pega 5 anos

O Conselho Mundial da FIA decidiu, em uma reunião que durou apenas 90 minutos, banir Flavio Briatore de qualquer competição organizada pela FIA, além de não poder mais ser empresário de qualquer piloto que esteja participando destes campeonatos. Pat Symonds recebeu punição semelhante, com a exceção de que o tempo da punição é de cinco anos.

A exemplo do que aconteceu com a McLaren na primeira etapa da temporada de 2009, em Melbourne, a Renault recebeu uma suspensão de dois anos, mas a pena não será aplicada, exceto se a equipe francesa "andar fora da linha" novamente.

Nelson Piquet Jr. e Fernando Alonso foram considerados inocentes, o primeiro, por conta da "delação premiada", e o segundo, por não haver provas de seu envolvimento no caso "Singaporegate".

Não irei repetir minha opinião acerca deste assunto, ela está expressa neste link. Mas o que digo aqui é que já era hora de Flavio Briatore, um cara que vendia roupas, comandar uma equipe de Fórmula 1, não seria coisa boa, justamente porque não entendia nada do esporte a motor quando, em 1994, foi dirigir a Benetton.

O que mais me preocupa é essa "blindagem" que Fernando Alonso recebeu, porque não precisou dizer nada a respeito, apesar de Nelson Piquet Jr. ter dito que o asturiano não sabia de nada.

Já para Nelsinho, será muito difícil para ele conseguir uma vaga na Fórmula 1 do ano que vem, a não ser que venha com patrocínios fortes e compre um assento nas equipes menores, que estrearão em 2010. Mesmo assim, a situação está bastante complicada, uma vez que não conseguiu mostrar uma boa performance no ano e meio que esteve na Renault.

Abaixo, a transcrição do veredicto do Conselho Mundial da FIA:

O Conselho Mundial de Automobilismo considera que os membros da equipe Renault, Flavio Briatore, Pat Symonds e Nelson Piquet Jr. conspiraram para causar um acidente deliberado no Grande Prêmio de Cingapura de 2008. O Conselho Mundial de Automobilismo, portanto, considera que a Renault, sob o artigo 123 do Código Desportivo Mundial, é responsável pela ação de seus empregados em violação aos Artigos 151 (c) e ponto 2 (c) do Capítulo IV do Apêndice L do Código e Artigos 3.2, 30.3 e/ou 39.1 do Regulamento Esportivo da Fórmula 1.

O Conselho Mundial de Automobilismo considera a violação da Renault no Grande Prêmio de Cingapura de 2008 como de gravidade sem precedentes. A violação da Renault não apenas compromete a integridade do esporte, mas também coloca em perigo a vida dos espectadores, fiscais, outros competidores e o próprio Nelson Piquet Jr. O Conselho Mundial de Automobilismo considera que crimes dessa gravidade merecem desclassificação permanente do campeonato mundial de Fórmula 1 da FIA. Porém, tendo em conta todos os pontos acima mencionados e as medidas adotadas pela Renault para identificar e resolver as falhas dentro da sua equipe e condenar as ações dos indivíduos envolvidos, o WMSC decidiu suspender a Renault até o fim da temporada de 2011. O Conselho Mundial de Automobilismo só ativará essa desqualificação se a Renault for considerada culpada de uma violação semelhante durante esse tempo.

Além disso, o Conselho Mundial de Automobilismo nota as desculpas da Renault e está de acordo que a equipe deve pagar pelos custos da investigação. Também aceita a oferta de uma significante contribuição para o trabalho de segurança da FIA.

Quanto ao Sr. Briatore, o Conselho Mundial de Automobilismo declara que, por um período ilimitado, a FIA não pretende sancionar qualquer Evento Internacional, Campeonato, Taça, Troféu, Desafio ou Série envolvendo o Sr. Briatore, a qualquer cargo ocupado, ou outra entidade envolvendo o Sr. Briatore, a qualquer título. Isso também incluiu instruções a todos os funcionários presentes em eventos sancionados pela FIA a não permitir que o Sr. Briatore tenha acesso às áreas sob a jurisdição da FIA. Além disso, não pretendemos renovar qualquer Super-Licença garantida a qualquer piloto associado (através de um contrato de gestão ou qualquer outro) com o Sr. Briatore ou qualquer entidade ou indivíduo associado ao Sr. Briatore. Ao determinar que tais instruções sejam aplicadas por um período ilimitado, o Conselho Mundial de Automobilismo teve em conta não apenas a gravidade da violação na qual o Sr. Briatore foi cúmplice, mas também por ele continuar a negar sua participação na violação apesar de todas as evidências.

Quanto ao Sr. Symonds, o Conselho Mundial de Automobilismo declara que, por um período de cinco anos, a FIA não pretende sancionar qualquer Evento Internacional, Campeonato, Taça, Troféu, Desafio ou Série envolvendo o Sr. Symonds, a qualquer cargo ocupado, ou outra entidade envolvendo o Sr. Symonds, a qualquer título. Ou de garantir licença a qualquer equipe que envolva o Sr. Symonds em algum cargo. Essas instruções valem, por um período de cinco anos, a todos os funcionários presentes em eventos sancionados pela FIA para não permitir que o Sr. Symonds tenha acesso a quaisquer áreas sob a jurisdição da FIA. Ao determinar que tais instruções devam valer por um período de cinco anos, o Conselho Mundial de Automobilismo levou em consideração: (i) o aceitação do Sr. Symonds em fazer parte dessa conspiração; e (ii) a sua comunicação para a audiência do Conselho Mundial de Automobilismo de que foi o seu “pesar e eterna vergonha” ter participado da conspiração.

Quanto ao Sr. Piquet Jr., o Conselho Mundial de Automobilismo confirma a imunidade de sanções individuais sob o Código Desportivo Internacional em relação a esse incidente, no qual a FIA havia garantido a ele em troca da voluntariedade de suas provas.

No que se refere a Fernando Alonso, o Conselho Mundial de Automobilismo agradece a ele por cooperar com as investigações da FIA e pela participação na audiência, e conclui que o Sr. Alonso não teve qualquer envolvimento na violação do regulamento pela equipe Renault.

Nenhum comentário:

Postar um comentário