Review de CD: High Flying Birds - Noel Gallagher

Capa do ÁlbumPrincipal compositor e força criativa do Oasis, Noel Gallagher estreia a sua carreira-solo após o final da banda em 2009, motivada pelas eternas brigas com seu irmão Liam. Enquanto Liam Gallagher reuniu os demais integrantes do grupo e montou o Beady Eye, que colocou o seu primeiro álbum nas lojas em fevereiro desse ano, Noel isolou-se do mundo.

A primeira coisa que fica clara ao ouvir "High Flying Birds" é que trata-se de um disco com uma sonoridade muito mais refinada do que a presente na estreia do Beady Eye. Isso não é nenhuma surpresa, afinal as composições de Noel sempre se destacaram pelas melodias de bom gosto e pelos arranjos inteligentes, enquanto Liam era o lado mais rocker e urgente do Oasis.

Produzido pelo próprio Noel e por Dave Sardy, responsável pelo último álbum do Oasis – "Dig Out Your Soul", de 2008, "High Flying Birds" não é um álbum inovador, pelo contrário. O disco segue exatamente tudo o que Noel fazia no Oasis, retiradas da receita, obviamente, a participação dos demais músicos e as brigas familiares que pareciam alimentar a banda. O que temos aqui é um álbum que, ao contrário do Beady Eye, cairá como uma luva na vida dos órfãos de uma das maiores e mais importantes bandas do rock inglês da década de 90.

O disco prova o que muitos já sabiam: Noel Gallagher era a alma e o coração do Oasis. As dez faixas, embaladas pela voz única de Noel, formam o melhor trabalho do vocalista e guitarrista desde "(What's the Story) Morning Glory?", o disco lançado em 1995 que levou o Oasis ao topo do pop.

Há obras-primas em "High Flying Birds". O primeiro single, "The Death of You and Me", é uma das maiores. "Dream On" segue o mesmo caminho, em uma balada com sabor sessentista e pequenos toques de psicodelismo que nasce com cara de clássico. "(I Wanna Live in a Dream in My)" tem um que de "Champagne Supernova", principalmente no solo.

Mas, ao mesmo tempo em que refina aquilo que sabe fazer de melhor, Noel às vezes aventura-se em novos caminhos. A excelente "AKA … What a Life!", com uma batida dançante e um bem sacado piano, é diferente de tudo o que o músico já fez em sua carreira. Os vocais, que se alternam entre o falsete e o registro normal, são os melhores do trabalho.

A influência do Kinks, que pode ser sentida timidamente em "The Death of You and Me", surge esplendorosa em "Soldier Boys and Jesus Freaks". Aliás, essas duas faixas merecem destaque porque trazem, também, uma latente influência dos Beatles, mas de uma forma diferente do habitual. Ao invés da cópia escancarada praticada pelo Beady Eye – e pelo próprio Oasis em alguns momentos -, a presença do Fab Four é constatada através de detalhes nos arranjos, como as insólitas cornetas que martelam a melodia, revivendo o que Paul McCartney e sua turma fizeram em discos como "Sgt Peppers" (1967).

"High Flying Birds" tem cara de coletânea, pois todas as suas faixas são hits latentes, singles a serem descobertos. Isso faz com que a audição do álbum seja extremamente agradável, carregando o ouvinte através de uma coleção de composições da mais alta qualidade.

Faixas:
Everybody's on the Run
Dream On
If I Had a Gun …
The Death of You and Me
(I Wanna Live in a Dream In My)
AKA … What a Life!
Soldier Boys and Jesus Freaks
AKA … Broken Arrow
(Stranged On) The Wrong Beach
Stop the Clocks

Whiplash

Nenhum comentário:

Postar um comentário