Canadense teve sua placa "Grabher" cancelada após 26 anos, pois foi considerada ofensiva demais para a sociedade atual

Lorne Grabher Plate
Lorne Grabher, cujo sobrenome é de origem alemã, é um morador canadense de Nova Scotia, teve uma ideia para presentear seu pai, em 1991, quando completava seu 65º ano de vida. Foi ao serviço de placas de veículos local e registrou a sequência de letras "GRABHER".

Claro que Lorne tinha boas intenções ao registrar a placa, afinal de contas, é nada mais que seu sobrenome e da família. Só que, esta sequência de caracteres, na língua inglesa, resulta na expressão "grab her", ou "agarre-a" em português.

"Como o governo da província de Nova Scotia pode possuir uma pessoa com o poder de discriminar o meu sobrenome numa placa automotiva?", disse Lorne Grabher, e ainda falou que a placa já foi usada por três gerações da família.

A CBC News reportou que um porta-voz do governo de Nova Scotia enviou correspondência à emissora, dizendo que uma reclamação foi enviada à ouvidoria, falando sobre a interpretação da sequência de caracteres da placa e de sua consequente leitura.

Além disso, ressaltou que o público não precisa saber de antemão que se trata apenas do sobrenome de uma família de origem alemão. Lorne Grabher, obviamente, discorda do governo, e tentará levá-lo à Justiça.

Tudo isto foi provocado depois do notório vídeo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, onde ele, ainda em campanha eleitoral, fala sobre "agarrar coisas". O cancelamento da placa "GRABHER", após 26 anos de uso, sem gerar quaisquer problemas, até o recente ato governamental, sugere fortemente que não é apenas coincidência.

Lorne Grabher recebeu apoio de muitas pessoas, tanto do Canadá quanto de fora do país, especialmente da Áustria, onde o sobrenome é bastante comum. Até Kurt Fischer, prefeito de Lustenau, manifestou-se a respeito do assunto.

"Não sei se devo rir ou se devo chorar deste incidente. Para mim, isto é uma correção politicamente correta reduzida a absurdo", disse Fischer em entrevista por telefone à CBC News.

O porta-voz do governo de Nova Scotia não disse que fonte de informação é usada para determinar se uma combinação de caracteres pode ser aprovada ou não, se um dicionário oficial ou outro "urbano", mas a cidade já possui uma lista de 67 páginas de combinações de letras e números que já foram banidas de novos registros de placas automotivas, tais como "END", "DOG", "HEN", "CHIKEN", "BLUE", "ODD" e "PEA".

Em alguns casos, temas como religião, sexo e mau gosto são levados em conta no momento da aceitação ou recusa de uma combinação de caracteres alfanuméricos para o registro de uma nova placa automotiva.

Lorne Grabher já foi contactado por um advogado do Centro de Justiça Para Liberdades Constitucionais de Calgary, que se interessou no caso.
Grabher Plate
Enquanto esta questão não é resolvida por meios amigáveis, Troy Grabher, filho de Lorne, faz questão de deixar claro o significado da placa de seu veículo, colocando um adesivo ao lado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário