Polícia Federal bate com carro em avião e impede fuga de suspeitos


Para impedir a fuga de suspeitos de transportar carga ilegal para o Brasil, policiais federais de Ribeirão Preto, 314 km de São Paulo, atiraram um carro da corporação contra o avião que era usado pelo grupo. Com a ação, os agentes da PF, que filmaram o momento da abordagem, conseguiram impedir a decolagem do avião. A operação terminou com a prisão de cinco suspeitos, incluindo o piloto do avião, e apreensão de uma carga estimada em R$ 200 mil em notebooks, equipamentos de vigilância eletrônica e uma bicicleta. Os produtos, que foram colocados numa camionete, vinham provavelmente do Paraguai e seriam comercializados na região de Ribeirão Preto, segundo a PF.

Conforme as imagens da ação, no momento em que a aeronave começa a levantar voo em uma estrada rural entre as cidades de Pontal e Orlândia, no interior de São Paulo, o carro da PF começa a aproximação. "Vou bater na asa, vou bater na asa. Não atira, não", grita o policial. O veículo da PF atinge a asa esquerda do avião, que roda na estrada e para. Armados, os policiais descem do carro e anunciam a prisão. Parte da mercadoria ainda estava na aeronave, mas alguns produtos já tinham sido colocados pelos suspeitos em uma camionete, que levaria a carga para ser vendida em lojas da região, de acordo com o delegado Edson Geraldo de Souza.

Dez policiais trabalharam na operação que, de acordo com Souza, foi antecedida de 30 dias de investigações. A PF não divulgou informações dos suspeitos. Eles devem ser indiciados sob suspeita de contrabando. O avião era "preparado" para o transporte de cargas, segundo o delegado, já que todos os bancos tinham sido retirados para facilitar a acomodação das peças. Segundo a polícia, uma aeronave clandestina como a apreendida nesta terça-feira é comercializada por valores entre R$ 300 mil e R$ 500 mil. "Além do preço, é importante retirar um avião desses de circulação para que não seja mais utilizado para contrabando ou mesmo para o tráfico de drogas", disse o delegado.

Questionado sobre os estragos causados no carro da polícia, Souza afirmou que "o benefício" de apreender o avião compensa o dano, as imagens serão usadas em processo interno para justificar o prejuízo. Segundo o delegado, apenas o para-brisa do veículo foi danificado e o reparo deve ficar em aproximadamente R$ 400.

Folha de São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário